Mötley Crüe faz sua despedida dos palcos com turnê

Mötley Crüe faz sua despedida dos palcos com turnê

Estado acompanhou uma das últimas apresentações da ‘Final Tour’ do grupo californiano, na ativa há 33 anos

João Villaverde, Especial para o Estado

16 de novembro de 2014 | 19h03

 MOLINE (EUA) - Prestes a anunciar uma série de shows no Brasil e na Argentina no ano que vem, o Mötley Crüe caminha para concluir uma das três mais bem sucedidas turnês realizadas nos EUA em 2014. 

Em despedida dos palcos depois de 33 anos, o grupo californiano fecha neste mês um périplo de 72 shows, para uma média de 18 mil pagantes por todo território americano. Sempre contando com o ícone do rock teatral Alice Cooper como grupo de abertura, a Final Tour do Mötley Crüe passou por casas históricas, como o Madison Square Garden, em Nova York, o Hollywood Bowl, em Los Angeles, e o Joe Louis Arena, em Detroit.

No último dia 9, o Estado acompanhou uma das últimas datas, realizada na pequena cidade de Moline, na fronteira entre os Estados de Ilinois e Iowa. Em mais uma apresentação esgotada, com todos os 12,5 mil ingressos para o iWireless Center Moline vendidos há dois meses, Cooper e Mötley Crüe tocaram por pouco mais de três horas um repertório quase totalmente de canções dos anos 70 e 80. 


O grande atrativo do show foi a impressionante “bateria montanha russa” - sim, uma montanha russa. O solo de Tommy Lee, responsável pelas baquetas do Crüe, foi realizado em um equipamento similar ao de um parque de diversões da Disney, que sai do palco e vai até a ponta final da arena, fazendo com que o público na parte mais distante fique a menos de 7 metros de Lee. O solo é tocado enquanto a bateria, mantida em suspensão, gira em 360 graus. 

São diversos os atrativos visuais desta turnê de despedida do Mötley Crüe. Além de Lee, também o baixista Nikki Sixx surge com um lança chamas acoplado a seu instrumento durante a canção Shout at the Devil, talvez a mais reconhecida música do grupo no Brasil. 

Todos os clássicos estão presentes. De Dr. Feelgood e Kickstart my Heart, que receberam indicações para o prêmio Grammy, em 1989 e 1990, respectivamente, a Girls, Girls, Girls, de 1987, e Live Wire, de 1981, ano em que a banda foi criada por Sixx, Lee, o guitarrista Mick Mars e o vocalista Vince Neil. Ao final, os quatro surgem em um pequeno palco improvisado no meio do público para apresentar, ao piano, a balada Home Sweet Home. 

“Foi a melhor apresentação deles aqui em Moline”, afirmou o fã local Rigg Parker, ao final da apresentação. Dono de um pequeno bar na cidade, Parker assistiu a todos os cinco shows anteriores. “Agora que estão terminando, todos pareciam mais entusiasmados”, disse.

Os quatro integrantes do Mötley Crüe se despedem dos fãs em alto estilo. Em janeiro deste ano, em ação inovadora de marketing, o grupo assinou um contrato legal que proíbe o grupo de se apresentar a partir de janeiro de 2016. Em parte por conta da grave doença de Mars, que tem a rara ankylosing spondylitis, que comprime e ‘cola’ os ossos da coluna vertebral, o Crüe decidiu se aposentar enquanto ainda consegue galvanizar o público. Segundo a revista Rolling Stone, a turnê deve ser uma das três mais lucrativas do ano.

Em 2015, provavelmente com Alice Cooper também, o Mötley Crüe vai visitar o Japão (seis shows confirmados), a Austrália e passar pela América do Sul e a Europa. A última apresentação do grupo deve ser na boate Whiskey A Go Go, em Los Angeles, em 17 de janeiro de 2016, data que marcará 35 anos do grupo.

Tudo o que sabemos sobre:
Mötley Crüe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.