Lenhohard Foeger/Reuters
Lenhohard Foeger/Reuters

Morte salva Michael Jackson da falência financeira

Apesar de um patrimônio que ultrapassava US$ 1 bilhão, o cantor arrastou dívidas de US$ 500 milhões

23 de junho de 2010 | 19h25

LOS ANGELES (AP) - Matérias publicadas pela mídia internacional afirmam que se Michael Jackson não tivesse morrido teria ido à falência financeira. Segundo o Wall Street Journal, apesar de um patrimônio que ultrapassava US$ 1 bilhão, o cantor arrastou até o dia em que morreu, 25 de junho do ano passado, dívidas que chegavam a US$ 500 milhões. De acordo com o jornal, o fundo do artista teria gerado mais de US$ 200 milhões de lucro em um ano, quantidade que serviu para salvar alguns embargos e acertar contas não pagas.

 

Nesta sexta, quando faz um ano da morte de Jackson, os EUA não renderão grandes homenagens ao cantor, em grande parte por causa do interesse da família em evitar aglomerações e da proibição de que fãs se aproximem da sepultura do artista. Na cidade em que Jackson passou parte de sua infância, porém, Gary, em Indiana, haverá discursos e apresentações, com

a presença de Katherine Jackson, mãe do cantor.

Tudo o que sabemos sobre:
Michael Jackson

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.