Toby Melville/Reuters
Toby Melville/Reuters

Morte de Amy Winehouse voltará a ser investigada em janeiro

Legista responsável pela primeira investigação foi considerada inapta a exercer o cargo

Efe

17 de dezembro de 2012 | 14h30

LONDRES - A morte da cantora Amy Winehouse voltará a ser investigada por um juiz legista em janeiro, já que a primeira conclusão neste sentido acabou sendo invalidada após a comprovação de que a magistrada encarregada carecia das qualificações necessárias.

Um porta-voz da Prefeitura do distrito londrino de Camden, onde a cantora morreu e residia, indicou nesta segunda-feira, 17, que a nova pesquisa judicial será iniciada no próximo dia 8 de janeiro no tribunal de Saint Pancras e, assim como a anterior, buscará esclarecer as circunstâncias da morte da estrela britânica.

A primeira investigação foi dirigida por Suzanne Greenway, que, em outubro de 2011, determinou que a morte de Amy havia sido "acidental" e, possivelmente, por causa do excessivo consumo de álcool.

No entanto, em novembro de 2011, Suzanne, nascida na Austrália, renunciou ao seu cargo após ser comprovado que ainda lhe faltava o período de experiência necessário para exercer a função de juíza legista no Reino Unido.

Isso porque, em 2009, a juíza foi nomeada legista adjunta por seu marido, Andrew Reid, sem cumprir o requisito legal de ter cinco anos como advogada no Reino Unido, embora tenha exercido essa profissão durante uma década em seu país de origem.

Apesar de assegurar que os procedimentos adotados na primeira investigação sobre a morte da cantora foram corretos, Reid, que também é juiz legista em Londres, foi obrigado a deixar seu cargo.

Após ter estampado as páginas dos principais jornais do país com inúmeros escândalos relacionados à dependência de drogas e álcool, Amy Winehouse foi encontrada morta em seu apartamento de Camden no dia 23 de julho de 2011.

Tudo o que sabemos sobre:
Amy Winehouse

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.