Morrissey negocia participação no concurso Eurovision

Morrissey, famoso por ter composto algumas das canções mais melancólicas da música pop britânica, pode representar a Grã-Bretanha no concurso Eurovision da canção, normalmente visto como celebração de tudo o que é kitsch e cafona.O ex-vocalista do The Smiths, cujos sucessos incluem That Joke Isn´t Funny Anymore e Heaven Knows I´m Miserable Now revelou que, depois da performance britânica decepcionante no ano passado, quer participar do concurso.Uma representante da BBC disse na terça-feira: "Já no ano passado Morrissey expressou interesse em compor para o concurso, e desde então estamos em negociações com ele."Ela afirmou que ainda não foi tomada nenhuma decisão, e que negociações estão em curso também com outros artistas. Não está claro se Morrissey cantaria a canção ou apenas a comporia.O candidato britânico no ano passado, o rapper Daz Sampson, ficou em 19o lugar entre 24 países - um pouco melhor do que o Jemini, em 2003, que não conseguiu conquistar um único voto.Os vencedores do ano passado foram os roqueiros finlandeses do Lordi, vestindo figurinos de monstro, com Hard Rock Hallelujah. O Eurovision é visto por estimados 100 milhões de telespectadores em toda a Europa.O concurso que lançou as carreiras do grupo ABBA e de Celine Dion é visto na Grã-Bretanha como quase piada, já que tradicionalmente atraía candidatos com penteados estranhos e figurinos bombásticos, cantando canções de mau gosto com refrões fáceis.A impressão que se tem é que seria uma plataforma improvável para Morrissey, cujas letras repletas de angústia existencial valeram ao The Smiths um exército de fãs nos anos 1980.O álbum The Queen Is Dead, da banda de Manchester, é considerado pela crítica um dos melhores de todos os tempos.Uma representante do cantor confirmou que ele está em discussões, mas não forneceu maiores detalhes.Mesmo que Morrissey componha uma canção para o concurso, que acontecerá em maio em Helsinque, não há garantia de que ele será o representante britânico, que será escolhido em março, por votação pública, a partir de uma lista de finalistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.