Tasso Marcelo/Estadão
Tasso Marcelo/Estadão

Morre Oscar Castro-Neves, um dos pais da bossa nova

O músico de 73 anos vivia nos Estados Unidos e estava em tratamento contra um câncer de estômago

Julio Maria,

28 Setembro 2013 | 19h39

Após meses de luta contra um câncer, morreu ontem o músico Oscar Castro-Neves, aos 73 anos. Ele, que ajudou a divulgar a bossa nova no exterior, morava em Los Angeles, nos EUA. O tumor estava alojado inicialmente no estômago, depois tomou o fígado e passou por um processo de metástase, atingindo outros órgãos.

Sem a sofisticação de cabeças como a de Castro-Neves, formada por encadeamentos do jazz de Dizzie Gillespie e de Charlie Parker, a bossa nova seria reconhecida como um sambinha de luxo. Oscar não ficou como o nome de frente da turma por sua discrição – e por opção. Depois do histórico show da bossa nova no Carnegie Hall de Nova York, em 1962, ele foi um dos que preferiu não voltar ao País.

De Nova York, ele partir para a Califórnia, onde seguiu em excursão com o quinteto de Dizzie Gillespie, depois com o trio de Lalo Schifrin, o quarteto de Stan Getz e o quarteto de Laurindo de Almeida. Gravaria depois com Quincy Jones, com Ella Fitzgerald, com Herbie Hanckock, com Barbra Streisand e até com Michael Jackson. Ausente de sua terra, veria de longe a bossa ganhar muitos pais. João Gilberto, Tom Jobim, Baden Powell, Vinicius de Morais, Carlos Lyra, Roberto Menescal. Talvez o menos lembrado seja Oscar Castro-Neves.

Seu instrumento era o violão e sua cabeça era de maestro. Cantava, mas não se considerava um cantor. Sentia-se muito mais em casa quando se apresentava como compositor, arranjador, produtor e instrumentista. Sempre esteve bem acompanhado, desde o nascimento, quando veio ao mundo trigêmeo, em 15 de maio de 1940.

Não havia quem não tocasse um instrumento em sua casa. Era tanta informação que o menino de 16 anos já tinha música demais querendo sair de sua cabeça. A primeira delas foi Chora Tua Tristeza, a estreia de um adolescente como gente grande. Ela lhe veio quando ele estava dentro de uma Kombi, uma lotação, no Rio de Janeiro. Guardou cada um dos acordes imaginários na memória até chegar em casa, pegar o violão correndo e dar vida àquela criatura.

Formou um grupo com os irmãos até descobrir que a turma da zona sul do Rio de Janeiro tinha as mesmas intenções que ele. Correu para lá. De parceria em parceria, ganhou nome o bastante para ser designado o homem que ensaiaria todo mundo para a apresentação estelar do Carnegie Hall de 1962.

A bossa nova atracou nos mares da MPB e Oscar Castro-Neves seguiu em frente, retornando ao Brasil algumas vezes até estabelecer-se de vez nos Estados Unidos. Já tinha nome suficiente quando os anos 1970 chegaram. A indústria de filmes o descobriu como autor de trilhas sonoras e o contratou par fazer Blame it On Rio; Gabriela; LA Story; He Said, She Said; Larger Than Life.

Fez valer as aulas de instrumentação e arranjo que um dia teve com Moacir Santos, tornando-se também diretos de musicais e produtor de discos. Em 1999, associou-se ao violoncelista Yo Yo Ma e dele produziu Soul of Tango, com o qual voltaria ao calor dos holofotes conquistando o prêmio de "melhor crossover clássico".

Assinou ainda, durante seis anos, a noite brasileira do super evento norte-americano Hollywood Bowl, em Los Angeles. Contudo, era definido por seus próximos como um gentleman.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.