Morre o violonista Dino Sete Cordas

O violonista Dino Sete Cordas, ex-integrante do Época de Ouro, morreu esta madrugada, em conseqüência de uma pneumonia. Ele tinha 88 anos e estava internado no Hospital do Andaraí, na zona norte do Rio. Dino Sete Cordas era o apelido de Horondino José da Silva, que surgiu em 1954, quando ele mandou fazer seu primeiro violão de sete cordas, tornando-se um dos pioneiros do gênero no País. Na década de 60, foi convidado por Jacob do bandolim para fazer parte do Época de Ouro, grupo de choro que existe até hoje. Como produtor, trabalhou ao lado de Elis Regina, Clara Nunes, Noel Rosa e Pixinguinha. O músico também acompanhou grandes nomes da era do rádio, como Carmen Miranda e Orlando Silva. Como Dino estava sem dinheiro para pagar um plano de saúde - o Hospital do Andaraí é da rede pública - músicos como Beth Carvalho, Paulinho da Viola e colegas do Época de Ouro haviam se unido para organizar um show para arrecadar fundos e ajudá-lo. Apesar da morte de Sete Cordas, a apresentação, que tem o apoio da Petrobras, será realizada terça-feira, às 19h30, no Teatro Carlos Gomes. Os organizadores decidiram mantê-la como forma de homenagear o músico. A arrecadação será destinada a sua família.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.