Morre o sanfoneiro e cantor Nardeli

Ele integrou o trio sertanejo Nenete, Dorinho e Nardeli, que fez sucesso nas décadas de 1950 e 60, e chegou a ganhar o Troféu Roquette Pinto; artista, de 80 anos, morava em Bauru (SP) com a família

Sandro Villar, Especial para O Estado de S. Paulo

05 de agosto de 2014 | 17h07

O sanfoneiro e cantor Nardeli morreu nesta terça-feira, 5, de enfarte na cidade de Bauru, no centro-oeste paulista, onde morava com a família havia 40 anos. Ele tinha 80 anos e deixa a mulher e três filhos. Seu nome nos documentos era Antônio Onofre de Figueiredo. Além de sanfoneiro e cantor, Nardeli também era compositor e integrou o trio sertanejo Nenete, Dorinho e Nardeli.

Eles fizeram muito sucesso nas décadas de 50 e 60 do século passado, quando gravaram mais de 400 músicas reunidas em 60 discos. Entre os sucessos estão as canções Vinte AnosO Cantar da Siriema, Recordação e Saudade de Pirassununga. O trio tinha um programa na Rádio Tupi de São Paulo.

Tanto sucesso mereceu um prêmio especial: Nenete, Dorinho e Nardeli receberam o Troféu Roquette Pinto, em 1957, na categoria música sertaneja. As cartas chegavam aos milhares e, naquele ano, os fãs enviaram mais de 67 mil correspondências.

Padrinho. Nardeli foi padrinho artístico da dupla Chitãozinho e Xororó, quando os dois irmãos iniciavam a carreira. Ele era o último remanescente vivo do trio. Izidoro Cunha, o Dorinho, morreu em 2011 aos 77 anos. Waldemar de Franchesi, o Nenete, foi morto por ladrões durante um assalto em São Paulo, em 1989. Nardeli está sendo velado no Memorial Bauru, onde será sepultado no fim da tarde.

Tudo o que sabemos sobre:
MúsicaNardeli

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.