Morre o maestro espanhol Rafael Frühbeck de Burgos

Regente titular da Sinfônica da Dinamarca, também era diretor emérito da Orquestra Nacional da Espanha, estava com 80 anos

EFE

11 Junho 2014 | 07h36

O maestro Rafael Frühbeck de Burgos morreu nesta quarta-feira, 11, aos 80 anos, em Pamplona (norte da Espanha). De acordo com informações da família, ele se tratava de um câncer e estava hospitalizado em uma clínica desde 13 de abril.

O diretor, que morreu pouco antes das 9 horas, teve um trabalho incansável até o dia 15 de março, quando sofreu uma tontura enquanto conduzia a Washington Symphony, no Kennedy Center, na capital dos EUA.

Frühbeck começou a mostrar sinais de cansaço após duas horas de apresentação, quando tinha dez minutos para concluir Pini di Roma, de Respighi. Precisou se apoiar várias vezes no corrimão do pódio para conseguir continuar o concerto. Ao término, sentado, ainda recebeu a homenagem do público, que o ovacionou de pé.

Voltando à Espanha, seus dois filhos, ambos médicos, determinaram a internação na Clínica Universitária de Navarra, no dia 13 de abril, na qual ficou até sua morte. 

O corpo do regente será enterrado na quinta-feira, 12, provavelmente no jazigo da família, no cemitério de Burgos (norte), junto com seus pais. Em uma cerimônia íntima, como ele desejava.

A capela será instalada no necrotério do Hospital Universitário, onde os restos de Frühbeck de Burgos será velado "na mais estrita privacidade", de acordo com a vontade da família.

Rafael Frühbeck de Burgos, cujo nome era Rafael Frühbeck Frühbeck, nasceu na cidade que ele incluiu em seu nome, em 15 de Setembro de 1933, e é considerado o maestro espanhol de maior prestígio internacional, desde Ataúlfo Argenta. Atualmente, ele era o regente titular da Orquestra Sinfônica da Dinamarca e diretor emérito da Orquestra Nacional da Espanha. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.