Morre o compositor da Portela Argemiro Patrocínio

O sambista Argemiro Patrocínio, da Velha Guarda da Portela, morreu no início da madrugada de hoje em sua casa, em Madureira. Ele ia fazer 80 anos no mês que vem e tinha ficado viúvo há 15 dias, de Walkiria, conhecida como Nina. "Isso o deixou muito triste, o que agravou seus problemas desaúde, decorrentes da idade", explicou a pastora Surica, também da Velha Guarda, sua amiga há quase cinco décadas. "Ele não terá substituto no nosso grupo, porque não temos esse hábito. Vamos continuar defendendo suas músicas, especialmente seus grandes sucessos, A Chuva Cai, dele e Casquinha, Dancei, e as do disco que leva o seu nome, Sai da Casa dos Outros, Mulher e Solidão."A cantora Marisa Monte, que lançou o disco da Velha Guarda da Portela, Tudo Azul, em 2000, e o do próprio Argemiro, no ano passado, foi ao velório, na quadra da escola de samba, em Oswaldo Cruz. "Estou muito triste. Ele, Manacéia, Alberto Lonato (já falecidos), Monarco, Casquinha e Seu Jair, têm uma temática, um lirismo característicos da Portela. Umaforma de compor que está se extinguindo", disse ela.Argemiro foi para a Portela nos anos 50, como ritmista, levado pelo primeiro diretor de bateria da escola, Betinho. Logo tornou-secompositor de músicas que faziam a crônica da vida carioca, em melodias delicadas, ricas, que encantavam os conhecidos, mas eram pouco divulgadas por ele mesmo.Paulinho da Viola, que freqüenta a escola desde os anos 60 e criou a Velha Guarda em 1970, conta que demorou para sabê-lo compositor. "Ele chegou tocando pandeiro, de uma forma muito particular, que só o Alberto Lonato fazia igual. Mas não dizia que era compositor. Só fui descobrir mais tarde quando a Beth Carvalho gravou A Chuva Cai", contou Paulinho, também presente ao velório. "O disco dele e do Seu Jair, produzido pela Marisa Monte, é um dos mais bonitos da história do samba. Além de compor, ele tinha uma voz maravilhosa, como todos na Velha Guarda."Um dos maiores sucessos de Argemiro, A Chuva Cai teria sido composta para sua mulher, Nina, que após uma briga resolveu sair de casa e foi impedida pela chuva. Casquinha, co-autor, teria completado a letra. Veja aqui a música.A chuva vai lá fora Você vai se molhar Já lhe pedi, não vai embora Espere o tempo melhorar Até a própria natureza Está pedindo prá você ficar. Atenda o apelo deste alguém que lhe adora Espere um pouco Não vá agora. Você ficando vai fazer feliz um coração Que está cansado de sofrer desilusão Espero que a natureza Faça você mudar de opinião.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.