Morre o clarinetista Artie Shaw, aos 94 anos

Artie Shaw, clarinetista e líder de big band cuja gravação de Begin the Beguine marcou a era do swing, morreu na noite de ontem aos 94 anos, informou o agente de sua orquestra. Shaw sofria de diabetes há alguns anos e aparentemente morreu de causas naturais, disse seu advogado e amigo Eddie Ezor.Em seu apogeu nas décadas de 1930 e 1940, Shaw ganhava dezenas de milhares de dólares por se semana e se equiparava a Benny Goodman, Tommy Dorsey e Glenn Miller como os reis do swing. Mas, nos anos 1950 ele abandonou a música e dedicou a segunda metade de sua vida a escrever e outras atividades. Sua gravação de Begin the Beguine, de Cole Porter, deveria ser o "lado B" do álbum. Mas tornou-se um sucesso fenomenal, ficando no topo das paradas durante seis semanas em 1938 e deu fama a Shaw, então com 28 anos. Outros sucessos, com sua banda e com seu quinteto The Gramercy Five, foram: Frenesi, Dancing in the Dark, Nightmare, Back Bay Shuffle, Accent-tchu-ate the Positive, Traffic Jam, They Say, Moonglow, Stardust, Thanks for Ev´rything, Summit Ridge Drive e My Little Nest of Heavenly Blue.Shaw trabalhou com lendas dos jazz como Buddy Rich, Mel Torme, Gordon Jenkins e, em uma época em que a maioria dos líderes de bandas eram brancos e se negavam a contratar negros, a grande cantora Billie Holiday. Outra lista famosa foi a de suas mulheres, entre elas as atrizes Lana Turner (terceira mulher, 1940), Ava Gardner (quinta, 1945) e Evelyn Keyes (oitava, 1957), assim como a escritora Kathleen Wilson (sexta, 1946). Seu casamento mais duradouro foi com Evelyn, que interpretou a irmã do meio da família O´Hara no clássico ...E o Vento Levou. O casamento durou até 1985, mas os dois viveram separados por muito tempo. "Eu gosto muito dela e ela de mim, mas a convivência é quase impossível", disse Shaw em uma entrevista em 1973.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.