Morre o baixista Moacir Albuquerque

O baixista Moacir Albuquerque, que tocou com os tropicalistas baianos, morreu ontem no Rio de Janeiro vítima de ataque cardíaco. Ele tinha 55 anos e havia deixado a música há mais de dez. Passou a trabalhar no mercado de capitais. Irmão do produtor Perinho Albuquerque, responsável pelo disco Álibi, que colocou Maria Bethânia entre os artistas de vendagem milionária, Moacir participou de alguns elepês fundamentais na carreiras dos baianos, entre eles, Refazenda, de Gilberto Gil, e Índia, de Gal Costa. Era também compositor e foi parceiro de Caetano Veloso na música Qual é a Bahiana?Moacir era baiano e veio para o Rio junto com Gil e Caetano, nos anos 60. No início dos 70, acompanhou os líderes da tropicalia no exílio, em Londres. Lá participou de quase todos os shows da dupla. De volta ao Brasil, tocou com Gal Costa e Maria Bethânia. Este foi seu último trabalho como músico. "Ele era grande amigo e um instrumentista seguro, que criou um estilo próprio com muito balanço", disse o atual maestro de Maria Bethânia, Jaime Álem, quando soube da morte. Moacir morava na Bahia com a família e, até o fim da tarde de ontem, ainda não estava decidido se ele seria enterrado no Rio ou em Salvador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.