Reprodução / Álbum Arthur Maia
Reprodução / Álbum Arthur Maia

Morre o baixista Arthur Maia, aos 56 anos, em Niterói

Reconhecido como um dos principais baixistas da música brasileira, Maia acompanhou shows e gravações de grandes cantores, como Caetano Veloso e Gilberto Gil

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2018 | 14h46

O músico Arthur Maia morreu, aos 56 anos, na tarde deste sábado, 15, no município de Niterói (RJ). Ele sofreu parada cardíaca, foi encaminhado para Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Mário Monteiro, no bairro de Piratininga, na região oceânica da cidade, mas não resistiu.

Reconhecido como um dos principais baixistas brasileiros, Maia acompanhou shows e gravações de grandes cantores como Caetano Veloso e Gilberto Gil. Maia iniciou carreira tocando bateria, mas migrou para o baixo elétrico assim que ganhou seu primeiro instrumento, aos 17 anos. A técnica, herdou do tio Luizão Maia, também baixista. 

A partir da década de 1980, Arthur Maia ajudou a moldar o jazz brasileiro fundando o grupo Cama de Gato e integrando as bandas Black Rio e Egotrip.

Nos anos 1990, o baixista se aventurou pela carreira solo, lançando discos autointitulados em 1991 e 1996. Seu trabalho mais recente foi como produtor no próximo disco de Martn'ália, ainda por ser lançado, em janeiro de 2019, contendo canções de Vinícius de Moraes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.