Morre Norman Granz, "a consciência do jazz"

Morreu aos 83 anos o empresário e promotor Norman Granz, que ficou conhecido como "a consciência do jazz" por seus esforços para abolir a segregação racial em concertos nas décadas de 1940 e 1950. Célebre por sua série de shows e gravações Jazz at the Philharmonic, com astros como Louis Armstrong, Count Basie, Charlie Parker e Billie Holiday, Granz morreu em sua casa em Genebra, na Suíça, por causa de complicações decorrentes do câncer. No auge de sua carreira, Granz foi um dos nomes mais poderosos no jazz sem ser músico. Como empresário, ajudou a levar Ella Fitzgerald ao estrelato. Foi ele um dos primeiros a tirar os jazzistas de clubes pequenos e levá-los para grandes salas de concerto. Nos shows que promovia, fazia questão de que não houvesse separação do público por raça. Ele também não admitia segregação racial em hotéis e restaurantes freqüentados pelos músicos em turnê.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.