Morre no Rio o produtor musical Guilherme Araújo

O produtor musical e empresário Guilherme Araújo, de 70 anos, faleceu na manhã desta quarta-feira, 21, no hospital Clínica Ipanema, na zona sul do Rio, vítima de uma infecção generalizada. Ele entrou para a história da música popular brasileira ao dirigir o show Recital, o primeiro de Maria Bethânia, realizado na boate Cangaceiro, em Copacabana, em 1966. Ganhou notoriedade quando passou a empresariar a linha de frente do movimento tropicalista. Além de Bethânia, Araújo cuidou dos negócios e da imagem de Caetano Veloso, Gilberto Gil e Gal Costa por décadas.Araújo lutava nos últimos anos contra diabete e hipertensão e era cardíaco. Entrou no hospital no início do mês e alguns dias depois teve a perna direita amputada. ?Ele saiu da cirurgia bem e conversando, mas estava com muita dor nos últimos dias e parou de comer. Os médicos fizeram exames e detectaram que a infecção se espalhara pelo corpo?, disse Marilza Araújo, irmã do produtor.O produtor musical escolheu o nome artístico de Gal Costa, idealizou e dirigiu um programa de televisão com os tropicalistas, cujo nome, Divino Maravilhoso, era um bordão usado por ele na época. Muito abalada, em Salvador, Gal Costa afirmou que Araújo foi ?um grande homem para a cultura brasileira?. Além da experiência com ele como tropicalista, ela foi dirigida pelo produtor nos shows Gal Tropical em 1979 e Fantasia, três anos depois. ?Ele era muito mais que um empresário, Guilherme era um artista e foi muito importante na minha vida, na de Gil, de Caetano e de Bethânia. O Brasil perde um criador?, declarou a cantora Gal Costa.Gal e GilGal lembrou o último encontro com o produtor nos camarins de um show dela nas areias da Praia de Ipanema, na zona sul do Rio. ?Ele entrou no camarim, elogiou o show e disse que sentia muita falta da mãe dele. Achei bonito, mas tive a sensação que ele estava desistindo da vida ali. A prova disso é que morreu cedo, pois poderia ter criado muitas coisas ainda?, contou Gal.Em New Bedford, no Estado de Massachusetts, nos Estados Unidos, o ministro Gilberto Gil se manifestou por meio de sua assessoria, após receber a notícia. ?Guilherme Araújo era um amigo, um companheiro do Tropicalismo, vou sentir saudades dele. Fizemos muitos trabalhos importantes juntos e acabamos cultivando uma boa amizade, era uma pessoa querida para mim?, afirmou Gil.?Ele era um empresário comercial com ambição criativa. Tinha idéias modernas. Acho que ele queria ser o Brian Epstein (empresário dos Beatles) brasileiro. Guilherme foi o quinto doce bárbaro?, disse o escritor e produtor Nelson Motta, que viveu em Nova York nos anos 90. No mesmo período, Araújo anunciou sua aposentadoria e foi morar na cidade norte-americana.Nos últimos anos, Araújo tinha uma vida social discreta. De acordo com os parentes, mesmo doente ele passeava pelo calçadão de Ipanema em uma cadeira de rodas empurrada por uma das três enfermeiras que cuidavam dele. Araújo está sendo velado na capela 2 do cemitério São João Batista, em Botafogo (zona sul), e será cremado nesta quinta, 22, às 15 horas, no cemitério São Francisco Xavier, no Caju (zona portuária).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.