Acervo da família
Acervo da família

Morre no Rio cantora Lidoka, das Frenéticas

Ela tinha 66 anos e lutava havia dez contra um melanoma; banda ficou conhecida pelos sucessos 'Dancin' Days', 'Perigosa' e 'Feijão maravilha'

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

23 Julho 2016 | 01h02

RIO - Morreu na noite desta sexta-feira, 22, no Rio, a cantora Lidoka Matuscelli, ex-integrante do grupo feminino Frenéticas, sucesso dos anos 1970 e 1980 com músicas como "Dancin' Days", "Perigosa" e "Feijão maravilha".

Ela tinha 66 anos e lutava havia dez contra um melanoma, com metástase em outros pontos do corpo. Seu tratamento era paliativo, uma vez que a quimioterapia deixou de ser eficaz. Lidoka tornou-se uma defensora da Fosfoetanolamina sintética, a polêmica "pílula do câncer", ainda em testes. Nas redes sociais, reivindicava a liberação da substância.

O filho de Lidoka, Igor, escreveu no perfil da cantora no Facebook: "Informo a todos que minha mãe, a eterna Frenética, voou há duas horas. Agora irá curtir as energias do céu! Que sorte tive em poder me despedir, aceitar e entender sua ida. Agradeço muito a todos, vocês ajudaram muito a seu espírito subir com paz. Foi super tranquilo, em paz. Como um passarinho, palavras do enfermeiro que estava acompanhando ela."

No Instagram, a amiga Leiloca Neves, ex-companheira nas Frenéticas, a homenageou: "Lidoka, taurina, guerreira, divertida, sua luta não foi em vão. Agora acabaram-se as limitações e você pode voar".

Mais conteúdo sobre:
Música Frenéticas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.