Morre no Rio, aos 66, o compositor Chico Salles

Morre no Rio, aos 66, o compositor Chico Salles

Ligado ao forró e à literatura de cordel, o músico paraibano era também escritor

O Estado de S. Paulo

25 de novembro de 2017 | 18h27

Morreu neste sábado, 25, aos 66 anos, de insuficiência respiratória, no Rio de Janeiro, o cantor e compositor paraibano Chico Salles Araújo. O velório do músico está sendo realizado no Cemitério do Catumbi. Artista ligado ao forró e à literatura de cordel, Chico Salles nasceu em Sousa, em 1951, na Paraíba, e instalou-se no Rio em 1970, formando-se em engenharia. Na cidade ele ficou amigo de vários sambistas e se tornou parceiro de Noca da Portela e Mussum, então integrante do grupo Originais do Samba.

Ele estreou como cantor em 1997 com o álbum Confissões. Cinco anos depois lançou outro disco, Nordestino Carioca. Entre seus mais recentes trabalhos, Salles fez uma releitura da obra do sambista Sergio Sampaio (Sergio Samba Sampaio), que contou com a participação de Zeca Balero e Zeca Pagodinho. Ele também publicou mais de 30 obras poéticas e livros infantojuvenis, entre eles A Jararaca e o Jegue. Salles deixa mulher, três filhos e netos.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Zeca Pagodinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.