Morre "Little" Milton, lenda do blues americano

O cantor, compositor e guitarrista de blues "Little" Milton Campbell morreu nesta quinta-feira em conseqüência de um derrame cerebral, anunciou seu empresário, Carrie Newton.O músico, de 71 anos, conhecido pela aspereza de sua voz, estava em coma desde o último dia 27 de julho. Sua morte aconteceu na primeira hora desta manhã, em um hospital de Memphis. Nascido em uma humilde família dos arredores da localidade de Inverness, no delta do Mississippi, "Little" Milton foi descoberto por Ike Turner, pioneiro do rock e do blues. Gravou seus primeiros álbuns no início dos anos 50, na mítica Sun Records, de Sam Phillips, onde conheceu outro jovem intérprete também desconhecido naquela época: Elvis Presley. Após várias produções na Sun sem muita repercussão, Milton foi para San Louis, onde se tornou sócio da Bobbin Records. Além de contratar artistas como Albert King e Fontella Bass, na nova gravadora lançou seu primeiro hit, I´m a Lonely Man, em 1958. Posteriormente, passou a gravar com a companhia Chess, com quem lançou, em 1965, We´re Gonna Make it, número um na lista de sucessos de rhythm and blues da revista Billboard e um dos temas do movimento pelos direitos civis dos negros. Também compôs outros sucessos que se transformaram em clássicos do blues, como Baby I Love You, If Walls Could Talk, Who´s Cheating Who? e o inesquecível Grits Ain´t Groceries. No selo Stax - pelo qual gravou de 1971 a 1975 - se uniu ao elenco de artistas negros mais influente do gênero, entre eles Isaac Hayes, Rufus e Carla Thomas, Booker T & The MG´s e Albert King, com gravações como Walking the Back Streets, Cryin e That´s What Love Will Make you Do. Entre suas composições também está The Blues is Alright, considerado um hino do gênero. Think of Me - último álbum dos cerca de 30 que gravou ao longo de sua carreira - foi lançado este ano. O disco mostra que "Little" Milton conservava a mesma voz, guitarra e gosto musical de sempre. "Little" Milton entrou para o Hall da Fama do Blues em 1988.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.