Chad Batka/The New York Times
Chad Batka/The New York Times

Morre Gregg Allman, fundador da pioneira Allman Brothers Band, aos 69 anos

A causa da morte não foi divulgada, mas o pronunciamento afirmou que o músico "sofreu com muitos problemas de saúde nos últimos anos"

Bill Friskics-Warren, The New York Times

27 Maio 2017 | 18h40

Gregg  Allman, integrante fundador da banda Allman Brothers Band, o incendiário grupo que inspirou e deu forma ao southern rock, morreu neste sábado, 27, na sua casa em Savannah, no estado norte-americano da Georgia. Ele tinha 69 anos. 

A morte dele foi anunciada em um comunicado publicado no site oficial da banda. A causa da morte não foi divulgada, mas o pronunciamento afirmou que o músico “sofreu com muitos problemas de saúde nos últimos anos”. 

Vocalista e tecladista, Allman foi um dos principais arquitetos da estética sonora do grupo, que criou a fusão de blues, jazz, country e rock – abrindo um caminho para bandas como – Lynyrd Skynyrd e Marshall Tucker Band — e criando aquilo que seria chamado de southern rock nos anos 1970. 

O grupo, o qual originalmente trazia o irmão mais velho dos Allman, Duane, como guitarrista principal, também foi precursor de uma geração inteira de bandas de jams, como Widespread Panic e Phish, donas de canções recheadas de labirintos musicais criados a partir de trocas instrumentais. 

A forma percurssiva de Allman tocar seu órgão Hammond B-3 auxiliou o Allman Brothers a criar sua base rítmica e deu espaço para a interação musical arrojada de seu irmão com o outro guitarrista da banda, Dickey Betts. Sua voz buscava profundidade nas angústias emocionais de cantores de blues como Elmore James, assim como de outros mais sofisticados, tal qual Bobby Bland. 

A maior de todas as influências de Allman como vocalista, contudo, foi o cantor de soul e blues nascido no Mississippi conhecido como Little Milton.

“O ‘Little Milton’ Campbell tem uma das melhores vozes que já ouvi de um ser humano”, escreveu Allman em sua autobiografia, chamada música My Cross to Bear e escrita por Alan Light, lançada em 2012. “Aquele homem me inspirou a vida toda a conseguir ter uma voz mais poderosa, meu diafragma mais forte, usar menos ar possível para deixar tudo sair. Ele me ensinou a ser absolutamente certeiro em cada nota que você quer atingir e fazê-lo com força.” 

O principal compositor da banda no início da carreira, Allman contribuiu com canções expansivas e emocionais, como Dreams e Whipping Post, no repertório dos Allman Brothers. As duas músicas se tornaram grandes momentos dos shows épicos da banda; uma catártica versão de 22 minutos de duração de Whipping Post foi o melhor momento do aclamado disco ao vivo At Fillmore East, de 1971. (Ouça abaixo)

Versões mais concisas de Midnight Rider e Melissa, assim como as versões de blues clássicos como Statesboro Blues e Done Somebody Wrong, revelam sua afinidade singular com a música negra sulista. 

Allman também manteve uma longa, e intermitente, carreira solo, quando era integrante do Allman Brothers e durante o período no qual ele estava afastado do grupo. 

As gravações realizadas sob seu próprio nome são tipicamente mais contidas,  mais como um cantautor sentimental de rock do que suas performances mais elaboradas vistas nos shows do Allman Brothers. 

Um remake de  Midnight Rider, do disco Laid Back, o primeiro álbum solo dele, chegou ao top 20 da música pop em 1973. O trabalho, Laid Back, também trazia cover de These Days, uma balada escrita por Jackson Browne, que ocasionalmente chegou a dividir apartamento com o músico quando eles viveram em Los Angeles, durante os anos 1960. 

O álbum Low Country Blues, o sexto disco solo de Allman, foi indicado ao Grammy de melhor álbum de blues em 2011. Produzido por T Bone Burnett, ele consistia, em grande parte, de interpretações de clássicos de clubes populares por outros músicos, como Junior Wells e Muddy Waters. 

O último disco de estúdio, Southern Blood, produzido por Don Was, deve sair ainda neste ano. Todas as datas de shows em 2017, incluindo as dez noites no City Winery, em Nova York, em julho, foram canceladas em meados de março de 2017. 

Em 1977, Almman e a cantora Cher, com quem ele era casado na época, lançaram o disco Two the Ward Way. O projeto foi mal recebido pela crítica e pelo público. 

Allman combateu o vício por  álcool, heroína e outras drogas por anos e se internou para tratamento inúmeras vezes até embarcar em um caminho de recuperação durante meados dos anos 1990. Anos depois, ele descobriu ter hepatite C e recebeu um transplante de fígado em 2010. 

Como integrante da Allman Brothers Band, Allman ingressou no Hall da Fama do Rock and Roll em 1995. Ele também entrou no Hall da Fama da Música de Georgia em 2006. Em 2012, ele e os Allman Brothers receberam um Grammy pela obra produzida durante a carreira. 

(Tradução: Pedro Antunes)

 

Mais conteúdo sobre:
Allman Brothers BandTradução

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.