Christian Ducasse
Christian Ducasse

Morre Claude Bolling, compositor de 'Borsalino'

O pianista de jazz francês e autor de trilhas para o cinema morreu aos 90 anos

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S. Paulo

02 de janeiro de 2021 | 16h53

Claude Bolling, o compositor e pianista de formação jazzística que ficou conhecido por uma histórica parceria com o flautista Jean-Pierre Rampal, o disco Suite for Flute and Jazz Piano (1975), morreu na última quinta-feira em Garches, França, aos 90 anos. A causa da morte não foi revelada por seu agente. Bolling, que também compôs para o cinema – filmes como Borsalino e Louisiane –, foi um músico sem preconceitos, admirador tanto dos jazzistas americanos (Duke Ellington em particular) como dos compositores eruditos europeus. Isso fez com que seu trânsito entre intérpretes populares crescesse – ele fez arranjos tanto para a cantora Juliette Gréco como Brigitte Bardot, que chegou a gravar no auge da fama como atriz.

Além de Suite for Flute and Jazz Piano, que chegou a vender mais de 1 milhão de cópias – na história do jazz, poucos chegaram a esse número, como ele e o pianista Keith Jarrett (com Köln Concert) –, Claude Bolling foi reconhecido nos EUA, terra do jazz, onde chegou a gravar, compor para o cinema e ganhar três indicações para o Grammy, uma delas para melhor disco de câmara, o citado CD com Rampal, que teve uma sequência Suite 2 for Flute and Jazz Piano Trio (1987).

Seguindo o mesmo formato, ele deixou registrada com o violoncelista Yo-Yo Ma a Suite for Cello and Jazz Piano Trio (1984). Nesse mesmo ano, Bolling foi convidado a se apresentar com o flautista Hubert Laws no Tonight Show de Johnny Carson e acabaram gravando juntos.

Nascido em Cannes em 1930, Claude Bolling estudou no conservatório de Nice e depois em Paris. Criança prodígio, aos 14 anos já tocava profissionalmente ao lado de grandes nomes do jazz como Lionel Hampton e Kenny Clarke, tornando-se, nos anos 1960, amigo pessoal do pianista canadense Oscar Peterson (1925-2007).

No cinema, foi a trilha composta para o filme Borsalino (1970), de Jacques Deray, que motivou as primeiras propostas de Hollywood. Lá, entre outros filmes, Bolling fez a música de Catch Me A Spy (Como Agarrar um Espião), um ano depois, em 1971  – o filme dirigido por Dick Clement tinha Kirk Douglas no papel principal. Impressionado com o disco que fez com Rampal, o diretor Herbert Ross o convidou para compor a trilha de California Suíte (1978), comédia baseada numa peça de Neil Simon com Jane Fonda num dos papéis. E fez ainda parte da trilha de Reds, composta por Stephen Sondheim, escrevendo o arranjo de um dos temas do filme, Goodbye for Now. Toda essa contribuição para o cinema americano está registrada no CD duplo American Movies, lançado em 2008 por Fremeaux & Associés.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.