Reprodução
Reprodução

Cantor Belchior morre aos 70 anos

A família já comunicou o Governo do Ceará e pediu ajuda para realizar o translado do corpo para a cidade de Sobral

Juliana Diógenes, Renata Okumura, Pedro Antunes e Lucas Azevedo, O Estado de S. Paulo

30 Abril 2017 | 11h33

(Atualizado às 14h47) FORTALEZA / PORTO ALEGRE - Morreu na noite deste sábado, 29, aos 70 anos, o cantor e compositor Belchior,  em Santa Cruz, cidade do Rio Grande do Sul.  O artista estaria há cerca de um ano e meio vivendo na cidade com sua companheira.

Os familiares do músico nascido em Sobral, no Ceará, confirmaram a morte para o jornal cearense O Povo, o primeiro a informar o falecimento. Pouco tempo depois, o governador do Estado, Camilo Santana, se pronunciou no Facebook e decretou luto oficial no Ceará por três dias.  

Conforme uma informação da Brigada Militar, a possível causa da morte de Belchior foi apneia, enquanto dormia. Segundo outras fontes policiais, ele teria morrido mesmo de causas naturais, pois já estava doente há algum tempo. Até o início da tarde deste domingo, 30, o corpo aguardava, em casa, liberação, para ser levado ao Ceará, onde será velado.

Belchior vivia na Residência Bom Padrão, no bairro Santo Inácio. Conforme relato de testemunhas que estão em frente à residência esperando mais informações sobre o ocorrido, uma ambulância do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi acionada por volta das 7h. Mas, ao chegar no local, os paramédicos já encontraram o compositor sem vida.

Belchior estaria morando recluso. Alguns vizinhos, inclusive, nem sabiam que ele estava morando no local. Entretanto, sabe-se que o cantor possuía amigos na cidade.

Ele morava em Santa Cruz do Sul há cerca de um ano. O Estado apurou que, enquanto estava desaparecido, Belchior morou durante três semanas na Ecovila Karaguatá, uma comunidade alternativa no distrito de Rio Pardinho, a 156 quilômetros de Santa Cruz do Sul. 

"Recebi com profundo pesar a notícia da morte do cantor e compositor cearense Belchior. Nascido em Sobral, foi um ícone da Música Popular Brasileira e um dos primeiros cantores nordestinos de MPB a se destacar no país, com mais de 20 discos gravados”, diz o texto publicado na rede social de Camilo Santana, que segue:  "O povo cearense enaltece sua história, agradece imensamente por tudo que fez e pelo legado que deixa para a arte do nosso Ceará e do Brasil. Que Deus conforte a família, amigos e fãs de Belchior.”

Homenagem. Realizado na região da Praia de Iracema, em Fortaleza, desde terça-feira, 25, o festival gratuito Maloca Dragão promoverá o show "Viva Belchior - tributo dos artistas cearenses ao rapaz latino americano”, que não integrava a programação inicial do evento. 

A apresentação em homenagem contará com artistas da cena local, com artistas conhecidos como “pessoal do Ceará”, movimento de uma cena que contou com Rodger Rogério,  Amelinha e Fausto Nilo. Nomes como Nayra Costa, da nova geração, também integrará a programação. 

Onde está Belchior? Em 2006, o cantor e compositor, criador de hinos da MPB, como Alucinação, Apenas um Rapaz Latino Americano e Como Nossos Pais, sumiu sem deixar (muitos) vestígios.

Na celebração dos 40 anos de lançamento do disco de estreia do músico, chamado Alucinação, a equipe do Caderno 2 buscou informações sobre o paradeiro dele. As última informações davam conta de que Belchior havia sido visto no Rio Grande do Sul, estado onde ele morreu, e que ele havia desaparecido propositalmente por conta de dívidas que não conseguia pagar. 

Belchior deixou o flat onde morava com a mulher Ângela Margareth Henman Belchior e os dois filhos na zona sul da capital paulista no final de 2006, quando os problemas financeiros ficaram mais intensos. Ele também abandonou os dois carros. 

O Sonata Hyundai branco, deixado no Aeroporto de Congonhas, continua no mesmo local. O Estado tentou ter acesso ao veículo, mas, por causa de processos judiciais, não conseguiu vê-lo.

Segundo levantamento feito pela reportagem na época da sua publicação, em 8 de maio de 2016, as dívidas com a administradora SAO Parking ultrapassam o valor de R$ 200 mil. O outro carro, uma Mercedes, abandonado em um estacionamento próximo ao seu apartamento, foi localizado no pátio Presidente Wilson. 

O veículo está no local desde o dia 24 de junho de 2011 e soma, aproximadamente, R$ 3 mil em multas. Já com o estacionamento na zona sul onde ele havia sido deixado, as multas passam de R$ 70 mil.

 

Belchior se auto-exilou. O Estado apurou que até suas palavras foram minguando nos últimos anos. Era pontual, chegava no escritório às 8h, tomava pó de guaraná, lia. O produtor Célio Silva foi chamado, certa vez, para socorrê-lo quando Belchior foi ameaçado pelo pedreiro que cobrava mais dívidas. 

A Silva, Belchior explicou o desejo de aumentar o cachê dos seus shows, comparando-se a Zeca Baleiro, que, segundo ele, ganhava mais dinheiro do que ele. Os chamados para apresentações, contudo, minguaram. De 15 apresentações mensais, ele passou a ter dificuldade para encontrar contratantes dispostos a tê-lo no palco. 

As dívidas cresciam e, encurralado, Belchior sumiu. Passou a se disfarçar. Escondia-se. Até o velório da mãe, Dona Dolores, ele perdeu para não ser encontrado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.