Reprodução
Reprodução

Morre assessor de imprensa dos Beatles

Tony Barrow, que cunhou o termo 'Fab 4' para definir o grupo, acompanhou a carreira do grupo e preservou gravações raras

The New York Times

17 de maio de 2016 | 16h08

 

O jornalista e publicitário inglês Tony Barrow, que cunhou o termo “Fab 4” para identificar os Beatles, morreu no sábado, aos 80 anos, em Morecambe, Inglaterra, segundo informou o biógrafo do grupo, o historiador Mark Lewissonh, amigo de Barrow por 35 anos. Barrow, ex-funcionário da Decca, foi procurado pelo empresário dos Beatles, Brian Epstein, bem no começo da carreira do conjunto, em 1961, quando assinava uma coluna de música no jornal ‘The Liverpool Echo’.

De início, Barrow ficou reticente em relação a um grupo que ninguém conhecia, mas Epstein insistiu e ele acabou sendo contratado pelo empresário para ser assessor de imprensa do grupo. Fez mais que isso. Foi graça a Barrow que o último concerto ao vivo da banda foi gravado. É possível afirmar que Barrow, por ser jornalista e saber o que seus colegas  queriam, acabou sendo uma espécie de porta-voz dos quatro músicos de Liverpool, alimentando a imprensa com revelações pessoais dos Beatles.

Quando os Beatles formaram a própria companhia, Barrow sentiu-se marginalizado e abriu sua empresa, atendendo a clientes como os Bee Gees e os Kinks. Ele é autor de um livro sobre os Beatles, ‘John, Paul, George, Ringo & Me: The Real Beatles Story’, publicado em 2005.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.