Reprodução
Reprodução

Morre, aos 87, criador do grupo Swingle Singers

Arranjador de sucesso, reverenciado pelo compositor Berio, Ward Swingle se apresentou várias vezes no Brasil com a sua trupe

João Marcos Coelho , O Estado de S. Paulo

19 Janeiro 2015 | 19h36

Nos anos 60, o nome de Bach foi uma espécie de “abre-te sésamo” de um dos raros nichos inteligentes da música popular. Alguns de seus corais, peças para órgão, teclado, cordas e orquestra, prelúdios e fugas, além das obras sacras vocais, foram arranjadas de todo jeito. Mas, com certeza, o grupo vocal Swingle Singers foi o mais refinado recriador de Bach para públicos mais amplos. A fórmula era simples: trazer à tona o swing que já está embutido na música de Bach.

Ward Swingle, que morreu nesta segunda, 19, aos 87 anos nos EUA, teve a bela sacada quando estudava piano no pós-guerra em Paris com o pianista Walter Gieseking e foi convidado pela cantora Mimi Perrin para cantar no sexteto vocal Les Double Six, a origem do projeto que o tornaria mundialmente célebre. 

O grupo usava recursos de estúdio e utilizava arranjos harmonicamente sofisticados de música pop e jazzística. Usava e abusava do scat singing, cantando as melodias e improvisando. 

Entre 1959 e 1966, gravou com Quincy Jones e se impôs como referência.

Ainda antes de o grupo se desfazer, Ward reuniu alguns de seus integrantes e colocou a cereja no bolo dos Double Six: aplicou estes princípios à música de Bach, manteve o scat e optou por um octeto vocal misto acompanhado só de contrabaixo e bateria. O sucesso dos Swingle Singers foi imediato – e mundial. Iniciou-se com Bach, chegou ao barroco e depois a boa parte da música dos períodos clássico e romântico. 

Ward aposentou-se em 2004. Eles vieram muitas vezes ao Brasil desde os anos 70. A última em 2013, quando foram os solistas, ao lado da Osesp e Marin Alsop, da Sinfonia de Luciano Berio (1925-2003). Escrita em 1968 por encomenda de Leonard Bernstein e a Filarmônica de NY, foi tributo explícito aos Swingle Singers e consagra a arte do grupo. Profetiza a era dos samplings, antecipa o trabalho dos DJs e do hip-hop. Berio constrói delirante viagem sonora de sons e textos, com o espírito libertário do maio de 1968 francês. Um mosaico em que o critério é buscar a poesia do som. 

O talentosíssimo arranjador Ward Swingle morreu realizado. Conseguiu o que raríssimos conquistam: sucesso. E fazer música vocal de qualidade, com direito a receber tributo de Berio.

Mais conteúdo sobre:
Ward Swingle

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.