Morre Ali Farka Touré, astro do jazz africano

Ali Farka Touré, um dos músicos africanos mais conhecidos e duas vezes ganhador do prêmio Grammy, morreu hoje em Mali, seu país natal, após uma prolongada doença, informaram emissoras regionais de rádio, que citam fontes oficiais malianas.Touré, um dos pioneiros do estilo de jazz conhecido como "mali blues", morreu em Bamaco, a capital de Mali, mas será enterrado amanhã, quarta-feira, em Niafunke, segundo porta-vozes do Ministério da Cultura maliano. Não foi revelada a doença do músico, mas supõe-se que era câncer.Niafunke, que fica às margens do rio Níger, no norte de Mali, é a cidade natal de Touré, que nasceu em 1939. A data exata é desconhecida, já que na época não era costume registrar os nascimentos naquela região. A área é mais conhecida pela mítica cidade de Tombuctu, um lendário centro de intercâmbio comercial na antiga rota de caravanas no norte do deserto do Saara. Conhecido como o bluesman da África, Touré tocava guitarra e "gurkel", um instrumento de cordas tradicional de Mali. Ele ganhou reconhecimento internacional após ganhar seu primeiro Grammy, em 1995, quando, ao lado do guitarrista americano Ry Cooder, produziu o álbum Talking Timbuktu.Embora durante sua carreira artística tenha colaborado com diversos guitarristas norte-americanos, Touré, que normalmente subia ao palco usando um chapéu de caubói, insistiu sempre que sua música tinha raízes nos sons tradicionais do norte de Mali e não no blues dos Estados Unidos.No entanto, em várias ocasiões ele citou também como fontes de sua inspiração os trabalhos de Ray Charles, Otis Redding e John Lee Hooker, entre outros músicos ocidentais.Seu segundo Grammy foi conquistado este ano, na categoria world music, por seu álbum In the Heart of the Moon, que produziu em colaboração com seu compatriota Toumani Diabate.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.