Morre a violeira Helena Meirelles

Dois dias depois de ter recebido alta dos médicos da Santa Casa de Campo Grande faleceu hoje a violeira Helena Meirelles, 81 anos. Ela estava internada desde o último dia 14, quando chegou ao hospital pela terceira vez este ano, para tratar de pneumonia crônica aguda nos dois pulmões. Depois de um intenso tratamento na UTI do hospital, apresentou melhora e sob orientações médicas foi para casa. Ela morreu à 00h30. (João Naves de Oliveira)Analfabeta e autodidata Helena Meirelles só foi descoberta pelo grande público aos 70 anos. Gravou o primeiro disco em 1994, pela gravadora Eldorado. A violista ainda lançou mais dois álbuns pelo mesmo selo, em 1996 e 1997. Conhecida como a Dama da Viola, Helena Meirelles nasceu numa sexta-feira 13 de agosto de 1924, em uma fazenda no pantanal do Mato Grosso do Sul. Analfabeta e autodidata, aprendeu a tocar aos nove anos, fascinada pelas violas caipiras. Como era proibida de tocar pelos pais, que não admitiam mulher artista na família, escondia-se para ouvir as reuniões musicais organizadas pelo avô. Tempos depois, já animava bailes, festas juninas e noitadas em bordéis freqüentados por boiadeiros como a primeira violeira da região. Desde então, iniciou uma trajetória fascinante, tanto na música quanto na vida pessoal. Compositora, cantora, violeira, empregada doméstica, passou boa parte da vida tocando em bordéis. Foi casada três vezes e teve 11 filhos, os quais deu à luz sozinha. A união com seu último marido, Constantino Machado, durou 42 anos, até o fim de sua vida. A família ficou sem notícias suas até o início da década de 1990, quando sua irmã a encontrou bastante doente e a levou para São Paulo. Três anos depois, seu sobrinho enviou uma fita demo para a revista norte-americana Guitar Player. Isto lhe rendeu o prêmio Spot Light Artist. Primeiro CD em 1994Helena é a única brasileira que está na lista das "100 mais palhetas do século" da publicação, por tocar violas de 6, 8, 10 e 12 cordas, ao lado de artistas como Eric Clapton e George Benson. Só então gravou seu primeiro CD Helena Meirelles (1994) pela gravadora Eldorado. A partir daí, com quase 70 anos, começou a lucrar com seu trabalho, até então feito por diversão. Gravou mais dois CDs, Flor de Guavira (1996) e Raiz Pantaneira (1997), também com o selo Eldorado. O último, De Volta ao Pantanal (2002), foi uma gravação pirata feita sem autorização da instrumentista.Filmou o curta-metragem O Enigma de um Dia ao lado do ator Leonardo Villar, e em 2000 o cineasta Francisco de Paula se interessou em contar sua história. Começou a gravar Helena Meirelles, A Dama da Viola no ano seguinte. O filme estreou em 2004.Helena Meirelles divulgou a música sertaneja por onde passou. Com sua música singular, tocava rasqueados, polca paraguaia e temas mato-grossenses. Tinha a tradição de em toda Sexta-Feira Santa fabricar suas palhetas usando chifre de boi. Saúde frágilO estado de saúde da violeira era frágil desde o ano passado, quando foi internada por causa de sua pneumonia crônica. Helena foi internada duas vezes em 2005, aos 81 anos, no Centro de Terapia Intensiva da Santa Casa de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, com infecção pulmonar. Segundo a assessoria de imprensa do hospital, Helena estava com pneumonia aguda nos dois pulmões, e com insuficiência respiratória que a obrigava a respirar com a ajuda de máscara de oxigênio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.