Morre a pianista Alice Coltrane, viúva de John Coltrane

A pianista de jazz Alice Coltrane, viúva do saxofonista John Coltrane, morreu na sexta-feira, aos 69 anos, segundo confirmou o Hospital West Hills, na Califórnia. O nome de Alice Coltrane entrou para a história do jazz quando se tornou pianista do quarteto de seu marido, uma das figuras mais significativas deste estilo musical. Após sua morte, em 1967, aos 40 anos, Alice Coltrane manteve o legado de seu marido, que foi o ídolo do saxofonista Michael Brecker, vencedor de 11 prêmios no Grammy, que morreu no domingo vítima de leucemia, aos 57 anos. Carreira Alice Coltrane nasceu em Detroit, em 1937, e começou a tocar aos sete anos. Ela recebeu uma educação musical clássica e tocou em igrejas e salas de espetáculos. Após estudar jazz em Paris, se mudou para Nova York, onde passou a fazer parte do quarteto de Terry Gibbs e onde conheceu John Coltrane. Em 1963, após o casamento, substituiu o pianista McCoy Tyner na banda de seu marido. Na década de 1970, passou a se interessar pelas religiões orientais, viajando para Índia. Na mesma época, adotou o hinduísmo e o nome em sânscrito de Turiyasangitananda. Nos Estados Unidos, fundou um centro espiritual na Califórnia, o Vedantic Center, e se transformou em líder espiritual de outras comunidades religiosas. A espiritualidade influiu também sua música. Alice Coltrane tocou harpa em bandas de jazz e suas composições contribuíram para lançar o estilo que ficou conhecido como New Age.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.