Morre a cantora da Jovem Guarda Sylvinha Araújo

Além da carreira como cantora da Jovem Guarda, Sylvinha também gravou diversos jingles comerciais

Da Redação,

25 de junho de 2008 | 23h50

A cantora Sylvinha Araújo, uma das representantes do movimento musical da Jovem Guarda, nos anos 60, faleceu às 20h35 desta quarta-feira, 25, no Hospital 9 de Julho, em São Paulo, por conta de complicações de um câncer de mama.   Ela tinha 56 anos e era casada com o também cantor Eduardo Araújo, outro membro da Jovem Guarda. Ela estava internada desde o dia 4 de junho.   Lançou diversos discos e gravou mais de 2000 jingles para comerciais. A versão soul que gravou para a música Paraíba, de Luiz Gonzaga, rendeu-lhe o apelido de "Janis Joplin brasileira", dado pelo produtor musical e crítico Nélson Motta.   Sylvinha havia se afastado da publicidade há alguns anos para se dedicar com o marido Eduardo à sua gravadora, a Number One. Em 2001 lançou o CD Suave é a Noite. O enterro será nesta quinta-feira, 26, no cemitério Horto da Paz, em Itapecerica da Serra, Grande São Paulo.    Ano passado foram comemorados os 40 anos da Jovem Guarda, um movimento que teve como principais destaques figuras como Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa.

Tudo o que sabemos sobre:
jovem guardasylvinhaeduardo araújo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.