Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Monarco 'ajudou a escrever a história do samba', diz Paulinho da Viola

Diversos nomes ligados à música lamentaram a morte do presidente de honra da Portela; confira a repercussão

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2021 | 09h43

Monarco, presidente de honra da escola de samba Portela, morreu no sábado, 11, aos 88 anos de idade, após passar as últimas semanas internado em decorrência de uma cirurgia no intestino. Diversos artistas usaram suas redes sociais para prestar solidariedade e publicar homenagens e elogios à carreira do compositor.

"Monarco foi uma voz e uma consciência que ajudou a escrever a história da Portela e do samba por mais de 60 anos. Um grande artista e uma grande figura, com o coração do tamanho de um talento de valor imensurável. Perdemos hoje um baluarte", lamentou Paulinho da Viola

Marisa Monte relembrou um vídeo feito durante a gravação do disco Portas, em que falou com o sambista por telefone. "Monarco sempre foi um mestre nato, de personalidade generosa, que gostava de compartilhar seu saber e suas histórias. Sua memória prodigiosa guardava os melhores sambas e era nossa enciclopédia. Testemunha viva da história do samba, a ele a gente recorria quando queria saber sobre os assuntos dos bambas. Um homem generoso e gentil", homenageou.

Zeca Pagodinho destacou o "dia de luto no Brasil e no mundo do samba" e publicou um breve vídeo: "Perdemos o Monarco, nosso mestre. A Portela está triste, o mundo do samba está triste. Só tenho a falar que ele teve uma missão bacana, não fez feio. Deus recebe."

Péricles usou a função de stories do Instagram para postar uma imagem de Monarco ao lado da frase: "Luto: 1933-2021", referência ao seu período de vida. O Instagram oficial de Arlindo Cruz também postou uma homenagem: "O samba perde um mestre, um professor, uma referência e um talento indescritível. Nossas condolências e sentimentos a todos os familiares".

João Diniz, sambista e neto de Monarco, publicou: "Vô, sua passagem aqui neste plano foi linda e histórica, deu início a um legado, uma dinastia que hoje carrego comigo. Obrigado por ter sido tão especial e presente na minha vida".

"Deus o guarde, mestre Monarco! Jamais vou esquecer os momentos e shows que fizemos juntos. Tenho um samba em parceria com ele (ainda inédito). Descanse em paz! Te amo!", escreveu o cantor Léo Russo.

A escola de samba divulgou uma nota de pesar em seu perfil no Instagram, ressaltando que Monarco havia sido homenageado na sexta-feira, 10, com a inauguração da Sala de Troféus da Portela, que leva seu nome.

Monarco chegou à ala de compositores da Portela na década de 1950, aos 17 anos. Gravou o primeiro álbum em 1976, e, desde então, gravou com nomes de peso da música brasileira.

Confira as homenagens a Monarco abaixo:

 

Tudo o que sabemos sobre:
MonarcoPortela [escola de samba]samba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.