Moby centraliza atenções com disco, festival e casa de chá

O novo disco do Moby ainda nem foi lançado, e ele já está no topo dalista dos mais vendidos da Amazon.com e da parada de dance musicda Inglaterra, com o single We Are All Made of Stars. Oprodutor, que está fazendo uma turnê promocional pela Euorpa,acaba de anunciar os detalhes da Area: Two, seu festivalitinerante de verão, que vai passar por 12 cidades americanas, eganha cada vez mais atenção com seu próprio programa no segundocanal da MTV nos Estados Unidos.Moby é um dos melhores exemplos de como o sucesso podeser usado para o financiamento de atividades criativas ediversificadas. Conhecido pelos fãs de música eletrônica e pelageração club desde o hit Go, de 1991, Moby explodiu em todoo mundo com o ótimo disco Play, de 1999. O trabalho rendeuuma turnê de quase dois anos, um excelente DVD dos shows e muitodinheiro para o artista - que vendeu os direitos de todas asfaixas do álbum para usos comerciais.Em um equilíbrio inédito de popularidade e credibilidadedo mundo underground, Moby organizou, no ano passado, o Area:One, que misturou nomes como New Order, Nelly Furtado e TheRoots. O evento foi um sucesso e ele passou a apresentar oSeñor Moby Music House, um programa de clipes na MTV2, emque usa uma câmera de vídeo para gravar a si mesmo - e programavídeos que normalmente não entrariam na grade do canal.Às vésperas do lançamento de 18, que chega às lojasinternacionais em duas semanas, ele retoma suas atividades nasartes gráficas e lança uma série de "video blips" - animaçõesinspiradas em cada uma das faixas do álbum, postadas diariamente no web site oficial dele, no endereçowww.moby.com. Pelos trechos escolhidos, 18 tem tudopara repetir o sucesso de Play, com faixas eletrônicasrecheadas de vocais e inspiração soul.Moby mais uma vez mostra sua ligação com o mundo dasartes ao inspirar o clipe de We Are All Made of Stars notrabalho do fotógrafo Philip-Lorca diCorcia. Dirigido por JosephKahn, o vídeo tem participações dos atores anões Vernon Troyer,o Mini-Me de Austin Powers, e Gary Coleman, além de DaveNavarro e Tommy Lee.Para o Area: Two, ele conseguiu agendar a participaçãode David Bowie, com quem colaborou recentemente. Serão trêssemanas de shows, começando em 28 de julho no estado da Virgínia, com atrações como Busta Rhymes, o grupo australiano TheAvalanches e os DJs John Digweed, Tiesto, Dan e Tim Skinner."Procuramos artistas que têm discos interessantes, mas quetambém conseguem fazer shows emocionantes", disse Moby à MTVamericana. "Há muitas bandas que têm músicas boas, mas quefazem apresentações chatas."Outro negócio paralelo de Moby é bem mais discreto: eleestá abrindo uma casa de chás em Nova York, onde mora etrabalha. "Este é um projeto que eu tinha há vários anos",disse o músico à imprensa inglesa. Ele acha que este é o momentocerto para o projeto, já que a bebida tem uma nova onda depopularidade na cidade.Moby também vai estar, nas próximas semanas, envolvidoem uma controvérsia: Eminem, que lança no início de julho odisco The Eminem Show, resolveu agredir o produtor em umamúsica, porque ele havia criticado suas letras homofóbicas emisóginas. O rapper diz que Moby, que está com 36 anos, é"muito velho" para saber o que os jovens querem ouvir e que"ninguém escuta techno". Ele respondeu, no diário em quemantém em seu web site oficial, que não vai falar mal de Eminem."Mas acho que quando você tem uma base de fãs formada pormeninos de dez anos deveria ser mais responsável."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.