Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Moacyr Luz traz a São Paulo uma das rodas mais tradicionais do Rio

Samba do Trabalhador, roda realizada toda semana no Andaraí, começa temporada paulista nesta terça-feira, 5, e não tem data para acabar

Fabio Grellet, O Estado de S. Paulo

05 de agosto de 2014 | 02h00

RIO - Numa segunda-feira de maio de 2005, o músico Moacyr Luz, coautor de clássicos do samba como Saudades da Guanabara e Cabô meu Pai, decidiu aproveitar o dia de folga para se reunir com amigos também músicos. Convidou cerca de 50 pessoas, que se encontraram por volta das 14 horas no Clube Renascença, tradicional reduto de negros e músicos no Andaraí, na zona norte do Rio. Entre uma cerveja e outra, buscada por conta própria porque os garços também estavam de folga, e mesmo sem ensaio nem equipamentos de som, emendaram um repertório de sambas clássicos.

A notícia se espalhou e, na semana seguinte, o encontro de amigos reuniu mais de cem pessoas. Na quarta semana, já eram 500. Formou-se uma roda de samba que desde então se repete religiosamente nas tardes e noites de segunda-feira, no mesmo clube, e hoje atrai mais de mil pessoas.

Moacyr decidiu chamar o evento de Samba do Trabalhador. “Parece uma brincadeira, já que a maioria dos trabalhadores está ocupada na segunda à tarde, mas eu me referia aos músicos: a gente trabalha todo final de semana e só pode se divertir na segunda”, explica.

Passados nove anos, e depois de dois CDs e DVDs lançados (em 2005 e 2013), o Samba do Trabalhador inicia hoje uma temporada sem data para acabar no Traço de União, casa de samba inaugurada em 2003 em Pinheiros, na zona oeste. 

Toda terça-feira, a partir das 19 horas, Moacyr e outros oito músicos vão entoar o repertório que inclui, além de músicas do próprio líder, clássicos de Paulo Cesar Pinheiro e Aldir Blanc (seus parceiros frequentes), Paulinho da Viola, Cartola e tantos outros. Como parte do ritual, a música de encerramento é sempre Poder da Criação, de João Nogueira e Paulo Cesar Pinheiro. “É uma oração ao samba”, resume Moacyr.

“Sempre recebemos muita gente de São Paulo, tem até van que sai do Belenzinho (bairro da zona leste) para ir ao Rena”, conta o músico. “Já tocamos em alguns lugares de São Paulo, no (bar) Pirajá e na Virada Cultural, por exemplo. Mas nunca havíamos acertado uma sequência, uma temporada inteira na cidade”, diz. 

“Queríamos um lugar espaçoso, para montar a roda de samba no meio do público, como fazemos no Rena, porque isso torna o samba ainda mais empolgante. No Traço podemos fazer assim”, afirma Moacyr, que não prevê fim para a temporada paulistana. “Vamos tocar enquanto houver fôlego. Ao menos até dezembro estaremos lá”, afirma.

Durante o show, Moacyr canta e toca violão e é acompanhado por Gabriel Cavalcante, Alexandre Nunes (ambos cantam e tocam cavaquinho), Álvaro Santos, Mingo Silva (cantam e tocam percussão), Daniel Neves (violão sete cordas), Luiz Augusto, Junior de Oliveira e Nilson Visual (percussão).

Quando foi lançada no Rio, a roda de samba começava às 14 horas, mas logo os músicos perceberam que era cedo demais. “Às 2 da tarde fazia muito calor. No clube não havia cobertura e a gente ficava procurando uma sombrinha, se espremendo onde não batia sol. Então, decidimos começar mais tarde”, conta Moacyr. Hoje o samba começa às 16h30 e segue até as 21h30.

Em São Paulo, 16h30 seria cedo demais, avalia Moacyr. “A casa vai abrir às 18h e decidimos começar o samba lá pelas 19h, hora adequada para quem quiser trocar o congestionamento por um samba”, diz o músico. A música não deve parar antes da meia-noite.

Preço. As despesas semanais com viagem e hospedagem dos nove músicos elevou o custo do show e, por isso, o ingresso em São Paulo custará R$ 30, o dobro do preço no Rio. 

“Estamos indo para São Paulo com as próprias pernas”, explica Moacyr. “Compramos passagens aéreas na promoção para as três primeiras semanas de agosto, e na última vamos de ônibus. A hospedagem também será por nossa conta”, afirma. “Vamos ganhar menos do que no Rio, mesmo com o ingresso custando o dobro, mas temos vontade de tocar em São Paulo”, diz Moacyr.

Ele lembra que, no início do Samba do Trabalhador, a entrada era grátis. “Começamos a roda em maio, com o clube de portas abertas. Mas havia gastos com equipamentos de som, estrutura, então em setembro decidimos cobrar. Mas eram R$ 2 e só homem pagava”, conta.

Citado em documentários produzidos até no exterior, como França, Austrália e Japão, o Samba do Trabalhador já foi registrado em dois CDs e DVDs.

Moacyr não tem dados oficiais sobre o número de discos vendidos, mas garante que o mais recente, gravado ao vivo no Renascença e lançado no início de 2013, já vendeu mais de 5 mil cópias. Toninho Geraes, Efson, Makley Mattos, Moyses Marques e Marcelinho Moreira fazem participações especiais.

Fãs de SP negociam folga e viajam de van ao Rio

Lista de frequentadores paulistas aumenta a cada edição e se mistura com personalidades como o médico Drauzio Varela

RIO - Casada com um carioca e dona de um bar na zona leste que tem samba e feijoada como atrações principais, a empresária paulistana Rosana Albertini, de 49 anos, foi ao Samba do Trabalhador pela primeira vez em 2009. Gostou tanto que passou a se planejar para viajar ao Rio às segundas-feiras, e agora não faz isso sozinha – nem só acompanhada pelo marido. 

“Em junho, alugamos uma van e fomos para o Rio em 15 pessoas. Um bate-volta: saímos de manhã, passamos a tarde e a noite ouvindo o Samba do Trabalhador e voltamos, a tempo de trabalhar na terça”, diz.

“O pessoal gostou tanto que vive pedindo que eu organize outra excursão. Tem cada vez mais gente interessada, daqui a pouco vamos lotar um ônibus. A próxima excursão deve ser em agosto”, anuncia, antes de confessar que já voltou ao Clube Renascença em julho, desta vez só com a família.

“Para quem é dono do próprio negócio fica mais fácil viajar em plena segunda, mas, para quem é empregado, fica complicado”, avalia. “Naquele grupo de 15, alguns trabalham por conta, mas 4 tiveram que negociar folgas”, conta Rosana. “Agora, poder prestigiar a roda de samba sem sair de São Paulo será ótimo, estarei lá.”

A gerente comercial Ladyjane Barros Maria, de 31 anos, é outra moradora de São Paulo que costuma ir ao Rio para prestigiar a roda de samba promovida às segundas-feiras. “Uma amiga carioca me apresentou ao Samba do Trabalhador em 2013, e em um ano já voltei lá cinco vezes”, conta a torcedora da Vai-Vai. “Negocio folga no trabalho, compenso em outros dias, dou um jeito e compareço”, diz.

A lista de frequentadores e convidados da roda de samba de Moacyr é extensa e repleta de personalidades. Músicos (sambistas ou não) e atores são presenças constantes. O jornalista Chico Pinheiro já comemorou aniversário lá, e o médico Drauzio Varela e até o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa já foram conferir o samba. / F. G. 

SAMBA DO TRABALHADOR

Traço de União. Rua Cláudio Soares, 73, Pinheiros, tel. 3031-8065. 3ªs, a partir das 19 h. Ingressos: R$ 30.

Tudo o que sabemos sobre:
MúsicaSamba do trabalhadorMoacyr Luz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.