MIMO FESTIVAL
MIMO FESTIVAL

Mimo Festival chega a São Paulo com Egberto Gismonti e blues africano

Evento que vai de sexta (22) a domingo (24) terá workshops, ciclo de cinema e shows no centro da Cidade

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2019 | 06h00

O Mimo, um dos mais conceituados festivais do calendário brasileiro desde sua primeira edição, há 15 anos, em Olinda, vai ser realizado pela primeira vez em São Paulo neste final de semana. Serão três dias com shows que trazem uma mostra do mapa genético do evento em edições já feitas em cidades históricas como Paraty (RJ), Tiradentes e Ouro Preto (MG), Rio de Janeiro e Amarante (ao norte de Portugal), além de Olinda (PE).

Demorou até chegar a São Paulo, mas essa era uma das inovações da produtora Lu Araújo, que queria sedimentar seu projeto em espaços públicos fora do eixo mais congestionado. Mesmo não sendo em um ano propício para investidores apostarem em cultura, e Lu sofre com a diminuição de patrocínios, o festival chega com uma identidade forte.

Além dos shows, a programação inclui um ciclo interessante de debates e workshops e uma mostra paralela de cinema. Os espaços em São Paulo serão o Teatro Municipal, Mosteiro de São Bento, Praça das Artes, Sesc 24 de Maio e Centro Cultural São Paulo.

Os shows desta sexta, 22, serão os da guitarrista de fado Marta Pereira da Costa – segundo os próprios portugueses, a única do gênero (às 17h, no Teatro Municipal) – e de Egberto Gismonti e Quarteto (às 20h, no Mosteiro de São Bento), ainda sob a aura de seus 40 anos de carreira. Seu grupo é formado por Grazie Wirtti (voz), Rafael Martini (acordeom) e Felipe José (violoncelo).

No mostra de cinema, no Centro Cultural São Paulo, os destaques serão Eletronica: Mentes, às 16h, com direção de Dácio Pinheiro, Denis Giacobelis e Paulo Beto. Um documentário sobre os processos de criação dos músicos que usam equipamentos eletrônicos. E, às 20h, haverá O Astronauta Tupi, de Pedro Bronz, que narra a trajetória do compositor e cantor Pedro Luís.

Os shows de sábado, 23, trazem atrações africanas que se tornaram uma marca na Mimo. Depois dos shows do português Chico da Tina, às 17h, e do rapper Edgar, a Praça das Artes vai receber duas atrações de uma porção africana onde surgiram os primeiros bluesmen da história. Do Mali, chega, às 23h, o casal Amadou & Mariam, cegos, ele guitarrista e cantor, ela cantora, com uma música hipnotizante. Da vizinha Mauritânia, quem reaparece na Mimo (ela esteve na edição de 2017) é a cantora e tocadora de ardil (um instrumento de cordas só permitido às mulheres de seu país) Noura Mint Seymali.

Além de se apresentar na primeira noite, Egberto será lembrado também no ciclo de filmes do domingo, 24, quando será exibido o documentário O Avião Tá de Parabéns, de Geraldinho Magalhães e Nilton Pereira, que narra o encontro de Egberto com João do Pife, pernambucano, um dos maiores tocadores e construtores de pífanos (ou pifes) do País. O documentário será às 18h, no CCSP.

Amadou e Mariam falam uma espécie de idioma oficial da Mimo, ou os vários idiomas africanos que chegaram muitas vezes ao Brasil pela primeira vez por meio do festival. Esse casal do Mali faz um blues de estrutura mais básica do que aquele desenvolvido pelos negros no Sul dos Estados Unidos. Uma sequência de dois acordes, sem refrão nem solos, que giram por um tempo longo o bastante para colocar parte das plateias em transe. Vê-los em ação é também um estudo histórico, uma revelação cultural que reescreve a história do blues.

Amadou e Mariam enviaram suas respostas ao Estado. Eles chegam a São Paulo com um show ativado pelo álbum mais recente, La Confusion, que fala, segundo Amadou, “da confusão que vivemos no Mali, sobre nossa comunidade e nossa situação social”. “Mas, ao mesmo tempo, as coisas que conversamos acontecem em todo o mundo”, diz. Sobre a característica dos guitarristas de blues africanos, que não gostam de fazer muitos solos, ele apenas diz: “Bem, eu posso falar por mim. Gosto de adicionar alguns solos no show ao vivo. Faz parte da vibração e da conexão que tenho no momento”. 

Ele conta que, no último verão, a dupla fez uma turnê com os amigos norte-americanos do grupo Blind Boys, do Alabama, uma série de 15 shows consecutivos. “É incrível estar na frente de grandes multidões, dá para sentir a energia.” Se ele ouve blues americano? “Ouço muito. E fui convidado, há uns anos, a participar do último lançamento do falecido músico JJ Cale (autor de Cocaine), com Eric Clapton e BB King.”

A outra atração de sábado, Noura Mint Seymali, faz um blues com outras características, mas também sobre as mesmas escalas pentatônicas africanas e o sentido circular dos malinenses. “O blues nasceu na África, isso está na história”, ela disse, em recente passagem pela Mimo de Amarante. 

Egberto Gismonti. Na outra ponta da programação, Egberto falou por e-mail com o Estado sobre o ponto de encontro de sua música, considerada sofisticada e estudada pela academia, e a de João do Pife e seu grupo, intuitiva desde a fabricação dos instrumentos de sopro feitos pelo próprio João. O encontro será tema do documentário O Avião Tá de Parabéns, que será exibido também na Mimo: “Somos músicos do interior, com formações diferentes mas com a admiração absoluta pelo Brasil dos brasileiros que criam em paralelo às dificuldades que nos são impostas, a esperança de vida, o desejo de viver e o amor, que no final das contas é a estaca sólida que temos. As nossas músicas se encontram também na amizade que os brasileiros do interior insistem em alimentar com os sorrisos, com os causos, com os convites para dividir mesas e ideias.”

Ele é um dos artistas que mais se apresentou no evento. Dessa vez, aparece quase que como um homenageado. Fará primeiro um show na sexta, 22, no Mosteiro de São Bento, e depois estará, no domingo, 24, como tema do documentário. “O que me levou a participar tantas vezes do Mimo, além da ideia e do exercício de liberdade de expressão, foi minha querida amiga Lu Araújo”.

E a definição de João do Pife, por Egberto? Sua resposta tem duas partes. “Resposta fácil se considerarmos João do Pife nome nomeado e doado pelo povo de Recife. Neste caso, o homem com seu nome já seria autoexplicativo. Resposta difícil se considerarmos que neste país miscigenado, ainda que pré-conceituoso, existe um homem que tem sua história admirada e é respeitado por todos que gostam do Brasil, das misturas, das raças indefinidas que nos definem, e sabem que a evolução nossa é e continuará sendo feita através de nós todos, sobretudo dos mais competentes da matéria que dominam e/ou mesmo a inventaram. Tenho pelo João de Pife um respeito imenso.”

MIMO FESTIVAL

SHOWS DE SEXTA: MARTA PEREIRA DA COSTA, ÀS 17H, NO TEATRO MUNICIPAL.

EGBERTO GISMONTI QUARTETO, ÀS 20H, NO MOSTEIRO DE SÃO BENTO. GRÁTIS.

ROGRAMAÇÃO COMPLETA:  

NO SITE MIMOFESTIVAL.COM

Tudo o que sabemos sobre:
Mimo FestivalEgberto Gismontimúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.