Mick Jagger reúne time de estrelas em álbum solo

O final de 2001 está mesmo com um clima de De Volta para o Futuro. Depois de Bob Dylan, Elton John e Paul McCartney, agora é a vez de Mick Jagger dar aos fãs um gostinho de seu novo álbum solo, Goddess in the Doorway (Virgin), primeiro lançamento do líder dos Stones desde 1995, confirmado para o dia 20 de novembro.Quem acessar ao site oficial de Jagger, www.mickjagger.com, pode conferir o primeiro single do disco, God Gave Me Everything nas opções Real Audio e Windows Midia Player, que podem ser baixados gratuitamente.A faixa, composta em parceria com Lenny Kravitz, não foge muito do rock-and-roll feito por Mick na lendária parceria com Keith Richards, que já dura mais de 40 anos. A maior diferença talvez seja a ausência do riff clássico e característico dos Rolling Stones, que você fica inconscientemente esperando entrar - mas que nunca aparece. Em God Gave Me Everything, as guitarras são mais pesadas e diretas, construindo a estrutura principal da canção.Eclético - Em Goddess in the Doorway, Jagger chamou um time experiente para a produção do sucessor de Wandering Spirit, que vendeu rrespeitáveis 416 mil cópias, em 1995. Compõe o elenco de superstars os rappers Wyclef Jean e Missy Elliot, Pete Townshend, ex-The Who, Lenny Kravitz, Joe Perry (Aerosmith), Bono Vox (U2), Rob Thomas (Matchbox 20), entre outros.A intenção de convocar uma gama tão variada de artistas foi dar ao novo CD estilos bem ecléticos, explorando, é claro, um efeito perfeito desse marketing para estimular as vendas. Para aproveitar a carona de All That You Can Leave Behind, que vendeu como água, Jagger chamou Bono para dividir os vocais em Joy, uma faixa gospel ao estilo de Stuck In A Moment, do próprio U2.Já Marti Frederiksen, que produziu o último CD do Aerosmith, Just Push Play, assina a produção de cinco das 12 canções de Goddess In The Doorway.O vocalista Rob Thomas, da banda norte-americana Matchbox 20, pode ser o nome mais desconhecido do disco. Mas é só lembrar um pouco de sua performance no mega-sucesso Smooth, do guitarrista Carlos Santana, que tocou bilhões de vezes nas FMs do planeta, para refrescar bem a memória. Thomas aparece desta vez na faixa Visions of Paradise, que tem uma levada mais pop.Velho parceiro - Entre os colaboradores de Goddess In the Doorway, a participação de Pete Townshend com seus "riffs destrutivos" é, sem dúvida, a mais marcante. O ex-líder do The Who volta a tocar com o velho amigo de mais de quatro décadas no cenário do rock, em três faixas do disco. A mais abrasiva e favorita do guitarrista é Gun, canção cheia de variações e com vocal poderoso de Jagger.No site oficial de Townshend (www.petetownshend.com), o autor de preciosidades como Magic Bus garante que Goddess In the Doorway "é o melhor trabalho feito por Jagger em carreira solo". Os antecessores do novo álbum foram Wandering Spirit (95), Primitive Cool (87) e She´s The Boss, lançado em 1985.

Agencia Estado,

08 de outubro de 2001 | 10h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.