REUTERS/ Stringer
REUTERS/ Stringer

Mick Jagger diz que Charlie Watts mantinha os Rolling Stones unidos

Banda faz primeira turnê sem baterista, morto em agosto, desde 1963

Reuters, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2021 | 07h38

Os Rolling Stones voltam à estrada neste final de semana sem o baterista Charlie Watts, que o líder da banda, Mick Jagger, classificou como a rocha que mantinha o grupo unido.

Em entrevistas a David Fricke, redator da revista de música Rolling Stone, Jagger, Keith Richards e Ron Wood conversaram pela primeira vez sobre suas lembranças de Watts, que morreu em Londres um mês atrás, aos 80 anos.

Eles não quiseram especular se esta será a última turnê da banda. A turnê "No Filter", cuja etapa norte-americana começa no domingo em St. Louis, no Missouri, será a primeira sem Watts desde 1963.

"Ele manteve a banda junta durante muito tempo, musicalmente, porque ele era a rocha em torno da qual o resto de nós estava construído", disse Jagger na entrevista divulgada nesta quinta-feira.

"O que ele trouxe foi uma sensação linda de suingue e gingado que a maioria das banda gostaria de ter. Tivemos algumas conversas muito legais nos últimos dois anos sobre como tudo isso aconteceu com a banda", acrescentou o vocalista.

"É uma perda enorme para todos nós. É muito, muito duro. Mas tivemos momentos maravilhosos, e Charlie criou música maravilhosa", acrescentou.

O baterista Steve Jordan tocará com os Stones na turnê. Em agosto ele foi anunciado como substituto temporário de Watts, que precisava de tempo para se recuperar de uma cirurgia não especificada.

Richards, de 77 anos, disse que seguir adiante foi uma decisão dura. "Chegamos em um ponto muito difícil para colocar isso para fora. Mas o faremos", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.