Eric Gaillard/Reuters
Eric Gaillard/Reuters

Mick Jagger afirma que não sabe qual é o futuro dos Rolling Stones

Músico trabalha na divulgação de seu novo projeto: o Superheavy

EFE,

16 de setembro de 2011 | 18h58

LONDRES - O vocalista dos Rolling Stones, Mick Jagger, afirmou nesta sexta-feira não saber se a lendária banda que liderou durante cinco décadas voltará a se reunir, nem quando será produzida uma nova turnê.

Perguntado pela rede de televisão 'BBC' sobre os futuros planos do clássico grupo de rock britânico, Jagger respondeu: "Não sei. Não tenho uma resposta para isso. Não tocamos durante um tempo".

O líder dos Rolling Stones também afirmou que existem algumas "tensões" envolvendo os membros da banda, que ainda conta com o Keith Richards (guitarra), Ron Wood (guitarra) e Charlie Watts (bateria).

"Sempre há tensões com as pessoas, assim é a vida. Quando você passa muito tempo com alguém a tensão é inevitável. Mas, isso não é bom", completou Jagger.

Atualmente, o músico, de 68 anos, trabalha na divulgação de seu novo e último projeto: o Superheavy, uma banda formada neste ano ao lado do compositor indiano A.R. Rahman, do ex-líder do Eurythmics, Dave Stewart; do filho mais novo de Bob Marley, Damian Marley; e da cantora de "soul" Joss Stone.

Os Rolling Stones, responsáveis por clássicos do rock como Satisfaction e Jumpin' Jack Flash, concluíram sua última turnê mundial, A Bigger Band, em 2007.

A turnê de desfecho contou com 147 shows, em 118 cidades diferentes, vendendo mais de quatro milhões e meio de ingressos em dois anos. Em 2012, a banda completará 50 anos.

Nesta sexta, o jornal britânico 'The Sun' relatou que Jagger voltará a se reunir com os Rolling Stones. Inclusive, o jornal garantiu que o líder do grupo já havia se reunido na semana passada com o resto da banda em Londres. O motivo: organizar o retorno aos palcos.

Tudo o que sabemos sobre:
Mick JaggerRolling Stones

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.