Michael Jakson admite ter pago para evitar processos

Para evitar passar por um constrangimento público, Michael Jackson admitiu que já pagou apessoas que ameaçavam entrar na Justiça contra ele por abuso sexual de crianças. O cantor disse que deu dinheiro a "certas pessoas que queriam explorar minha preocupação com crianças".A declaração foi feita horas antes de ir ao ar numa emissora de tevê americana uma reportagem que mostrava que o popstar havia pagado US$ 2 milhões (cerca de R$ 6 milhões) ao filho de 12 anos de um de seus empregados para fugir da acusação de assédio a menores. Jackson disse que queria responder a "mentiras e sensasionalismo"."Anos atrás, fiz um acordo com certas pessoas porque estava preocupado com a minha família e a especulação da mídia, com o que aconteceria se o assunto fosse parar num tribunal. Essas pessoas queriam explorar a minha preocupação com crianças ao ameaçar destruir o que eu acredito e o que faço. Sou um alvo vulnerável para aqueles que querem dinheiro", afirmou o astro.Em 1993, o cantor deu US$ 23 milhões para que não fosse processado por abuso sexual. Jackson, que sempre se disse inocente, pagou US$ 15 milhões para um menino (agora com 24 anos) e US$ 8 milhões para seus pais e advogados. "Ninguém podeimpedir que hoje a Justiça chame os envolvidos naquele caso para depor sobre os atuais processos contra Jackson", disse Jean Rosenbluth, um especialista em leis da Universidade daCalifórnia.Atualmente Jackson responde a nove acusações de assédio a menores e duas por extorsão e tentativa de seqüestro. O cantor entrou com pedido para diminuir a fiança de US$ 3 milhões que ele pagou para responder ao processo em liberdade. Na semanapassada, o juiz Rodney Melville negou a redução, citando que havia evidências de que Jackson estaria planejando uma fuga para o Brasil.O julgamento de Jackson está previsto para ocorrer em janeiro na Califórnia. Se ele for condenado, pode pegar até 11 anos de cadeia. Ele nega todas as acusações: "Nunca machucaria umacriança".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.