Joe Cavaretta/AP
Joe Cavaretta/AP

Michael Jackson teria usado nomes falsos para obter remédios

Site TMZ diz que abuso de remédios com receita era 'atroz'; órgão de controle de drogas entra na investigação

Efe,

02 de julho de 2009 | 09h33

O cantor americano Michael Jackson "utilizou uma quantidade enorme de nomes para obter remédios sob receita", afirmou nesta quinta-feira, 2, o site especializado em celebridades TMZ.

 

Veja também: 

linkDIRETO DA FONTE: editora vai lançar biografia em outubro

linkEquipes de TV e fãs já estão em Neverland

especialA trajetória de Michael Jackson, ícone do pop

som Território Eldorado: ouça todas as fases do rei do pop

mais imagens Veja galeria de fotos

video 'Thriller', o disco mais vendido da história

blog Fórum: Morre Michael Jackson, rei do pop

 

O site, que não identifica a fonte de sua informação, afirma que conhece alguns dos nomes que teriam sido utilizados por Michael, cuja morte aos 50 anos está sendo investigada pelas autoridades. "Conhecemos os dois nomes que poderiam ser a chave para revelar o abuso flagrante (do uso de remédios) por parte de Michael Jackson e alguns médicos proeminentes", acrescentou o TMZ.

 

"Soubemos que Michael Jackson usou frequentemente os nomes de Omar Arnold e Jack London para obter remédios fortes, incluindo demerol", continuou a nota. O cantor "também usou o nome de um de seus guarda-costas e o do gerente do consultório de um de seus médicos", indicou o site.

 

O demerol é um analgésico opiáceo de ação rápida, receitado para o tratamento de dores moderadas e fortes.

 

Segundo o TMZ, a Direção de Controle de Drogas do Governo dos Estados Unidos, "que se juntou para ajudar o Departamento de Polícia de Los Angeles em sua investigação de vários médicos que receitaram remédios a Michael Jackson, irá atrás desses nomes e de outros".

 

"Nossos informantes dizem que o abuso de remédios com receita foi tão atroz (que) um médico ligava para a farmácia e avisava que Michael Jackson pegaria demerol. A farmácia preenchia a receita, deixando em branco o nome do paciente", segundo o site.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.