Michael Jackson sem apoio de velhos amigos

Desta vez parece que Michael Jackson terá que encarar a Justiça sozinho. Quase nenhum de seus tradicionais defensores deu declarações favoráveis ao cantor sobre a busca em seu rancho e sua drástica chegada à polícia de Santa Bárbara algemado, ontem à noite. Elizabeth Taylor, grande amiga de Jackson, e Lisa Marie Presley, ex-mulher dele, se negaram a falar. Até agora, apenas o entortador de talheres Uri Geller, Jermaine Jackson, irmão de Michael, e sua mãe, saíram em defesa do pop star.A polícia da Califórnia alega existir contra Jackson múltiplas acusações de abuso de menores, que a Justiça mostrou que pretende tratar com rigor. Se vários nomes da música e do cinema preferiram calar, como também fizeram a cantora Shania Twain e o intérprete Rob Thomas, houve também quem fizesse coro com as acusações contra ele. É o caso da atriz Kathy Griffin, para quem ?repugna ver como muita gente o defende?. Sem querer, Britney Spears foi a mais famosa estrela a defender Michael Jackson, mas sua declaração foi dada na segunda-feira, véspera da batida feita pela polícia no rancho Neverland (Terra do Nunca). Ela disse à rede de TV ABC que não acredita que Jackson abuse de crianças. Já a mãe do cantor, Catherine, afirmou à revista alemã Bunte que vê motivaçõs raciais por trás da acusação a seu filho. ?Há duas interpretações da lei neste país (os EUA). Uma para brancos e outra para negros?. Catherine Jackson teme que a polícia tenha plantado provas no rancho Neverland durante a busca de segunda-feira. Também artistas que Michael conheceu ou ajudou, quando eram crianças, preferiram não comentar o caso. Um exemplo é Macauley Culkin, que não quis dar entrevista ontem ao jornal New York Post mas que, meses atrás, disse à revista New York que só se sentia 100% bem quando estava no rancho Neverland. Os atores Emmanuel Lewis e Corey Feldman e o dançarino Wade Robson, todos amigos de Jackson, também preferiram o silêncio sobre a nova acusação.O silêncio é explicável, afinal não contará pontos para a carreira de ninguém fazer declarações em favor de Michael Jackson agora. Pelo menos assim pensa um executivo da indústria fonográfica que falou em anonimato. Para ele, "ninguém quer fazer comentários sobre esse caso. Por acaso é incompreensível?"

Agencia Estado,

21 de novembro de 2003 | 16h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.