Michael Jackson pesava 51 kg e tinha ingerido pílulas, diz jornal

Autópsia detecta cantor praticamente careca, com costelas fraturadas e hematomas pelo corpo, diz 'The Sun'

Efe,

29 de junho de 2009 | 08h25

Michael Jackson pesava apenas 51 quilos, tinha comprimidos parcialmente dissolvidos no estômago e apresentava várias costelas quebradas, segundo detalhes da autópsia obtidos pelo jornal sensacionalista The Sun. A informação foi contestada pelo site de celebridades TMZ, que afirma tratar-se de uma notícia falsa.  

 

Veja também: 

linkMichael Jackson: sucesso, polêmica e inúmeros adjetivos

especialA trajetória de Michael Jackson, ícone do pop

mais imagens Veja galeria de fotos

som Território Eldorado: ouça todas as fases do rei do pop

blog Fórum: Morre Michael Jackson, rei do pop

video 'Thriller', o disco mais vendido da história

video 'Beat It', com Michael Jackson

video "Thriller" encenado pelos detentos da prisão de Cebu 

 

O jornal britânico, que se refere ao primeiro exame realizado no corpo de Michael após sua repentina morte, afirma nesta segunda-feira, 29, que o cadáver do Rei do Pop era quase um esqueleto e estava muito deteriorado.

 

Michael, cujos restos foram submetidos no final de semana a uma segunda autópsia solicitada pela família, não havia comido nada e só tinha comprimidos no estômago, aparentemente ingeridos antes da injeção de analgésicos que teria causado a parada cardíaca que matou o cantor, de 50 anos.

 

Como resultado dos esforços para reanimá-lo, o cantor apresentava várias costelas fraturadas e quatro marcas de injeções em torno do coração, destinadas a injetar adrenalina no órgão.

 

Michael estava praticamente careca e usava peruca, indica o jornal britânico. Os legistas também encontraram hematomas nos joelhos e tíbias do cantor, assim como nas costas, que poderiam ser as sequelas de uma recente queda.

 

Além disso, seu corpo estava cheio de cicatrizes cirúrgicas provocadas por pelo menos 13 operações estéticas. "A família e os fãs de Michael ficarão horrorizados quando se derem conta do péssimo estado no qual se encontrava", declarou ao jornal uma fonte próxima à estrela.

 

O Sun publicou dados da autópsia depois que o médico pessoal de Michael Jackson, Conrad Murray, ficou livre de suspeita após prestar um interrogatório de três horas à polícia. A porta-voz de Murray, Miranda Sevcik, disse que o médico respondeu a "todas e cada uma das perguntas" realizadas pelos agentes, que trabalham para esclarecer os motivos da morte do cantor, da qual o médico foi testemunha presencial.

 

De acordo com o jornal britânico, a família de Michael está preparando um processo multimilionário contra o médico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.