Mike Segar/Reuters
Mike Segar/Reuters

Michael Jackson: maior que a morte

Apresentação em Wembley da primeira turnê solo do cantor, 'Bad World Tour', foi convertida do VHS para DVD

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2012 | 07h00

Só os pés de Michael Jackson aparecem em um telão gigante numa época em que telões gigantes, mesmo com suas resolução sofríveis, eram vistos como glamour dos deuses. O palco fica no escuro e a plateia compacta cria um estrondo ensurdecedor, à espera de algo que parece levar bem mais do que os quatro ou cinco segundos que antecedem a aparição do astro. 

Em meio a quatro dançarinos vestidos com o figurino do álbum Bad, Michael surge em Wanna Be Startin’ Somethin’ como um messias diante de seu povo. E logo pessoas desmaiadas começam a ser retiradas da pista. 

O último astro da música negra norte-americana a causar reações de euforia patológica em seu público, Jackson passou pelo Wembley Stadium de Londres, em 16 de julho de 1988, para um de seus maiores shows de sua primeira turnê solo, a interminável Bad World Tour. Era a consagração de Jackson na estrada depois do vitorioso álbum sucessor de Thriller, a revolução de 1982. Jamais um artista havia viajado com tantas toneladas de equipamentos como dessa vez. 

As cenas de VHS convertidas para o digital não impedem as imperfeições e as limitações de captação da época estão expostas. Mas tudo joga a favor de quem quer ver Jackson como o fenômeno da era do videocassete e da jaqueta de couro vermelha. Uma experiência é, antes de tudo, pular todas as faixas e ir direto para Billie Jean, de número 16. Ali, sozinho, está o homem que flutuava pelo palco, que andava sobre o gelo, que fazia o corpo dançar por dentro e por fora e que conseguiu ser maior do que a sua própria morte.

MICHAEL JACKSON - LIVE AT WEMBLEY

(25 anos de Bad)

Gravadora: Sony Music

Preço médio: R$ 32 

CRÍTICA: Excelente

Mais conteúdo sobre:
Michael Jacksonpop

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.