Michael Jackson é condenado a pagar US$ 5,3 milhões

A temporada de más notícias para Michael Jackson continua. O pop star foi hoje condenado a pagar US$ 5,3 milhões por causa do cancelamento de dois shows planejados em 1999, para celebrar a virada de milênio. A sentença foi dada por um júri de um tribunal em Santa María, Califórnia, próximo ao rancho Neverland, onde vive o astro. O veredicto saiu após uma semana de deliberações, resultado de uma longa batalha judicial movida pelo produtor alemão Marcel Avram, que exigia US$ 21 milhões pelo cancelamento das apresentações.A defesa do pop star alegava que Avram é quem tinha recuado, por receio de que os shows não dessem lucro. As apresentações estavam marcadas para o último dia daquele ano. Jackson cantaria primeiro em Sydney, na Austrália. Aproveitando a diferença de fuso, voaria depois até Honolulu, Havaí, para repetir a apresentação. Mesmo vencendo a disputa, o advogado de Avram, Louis Miller, estuda apelar da sentença. Quer pedir uma indenização maior, que considere dívidas supostamente contraídas antes do incidente.Revanche - Bombardeado por uma sucessão de acusações - de que gosta de dormir com crianças, que esconde um filho adolescente, que encomendou vodu para matar Steve Spielberg, entre outras -, o astro tem preparado sua revanche em várias frentes. Uma delas é a reorganização de sua equipe, que já custou os empregos de seu advogado e contador. Outra é a resposta ao documentarista Martin Bashir. O jornalista o registrou dizendo gostar de dividir a cama com crianças, entre outras declarações polêmicas. Mas Jackson, enquanto era filmado, também gravava passagens de Bashir, incluindo elogios às suas qualidades de pai. A revanche de Jackson poderá ser vista no dia 30 deste mês, quando o canal Sony exibir The Michael Jackson Interview: the Footage You Were Never Meant To See.

Agencia Estado,

13 de março de 2003 | 19h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.