Michael Jackson deve assistir à audiência na corte

Os advogados do rei do pop, Michael Jackson, dizem que as autoridades ultrapassaram os limites da lei quando fizeram uma busca no rancho do cantor, Neverland, e no escritório de um detetive particular em busca de provas. A defesa pretende argumentar durante uma audiência hoje que a promotoria e as outras autoridades envolvidas no caso apreenderam, sem a devida autorização, diversos itens, incluindo computadores, papéis, um calendário e fitas.Amanhã, a mãe do garoto que acusa de Jackson de abuso sexual vai depôr e enfrentará perguntas sobre se ela sabia que o detetive particular Bradley Miller estava trabalhando para o ex-advogado de Jackson, Mark Geragos, quando seu escritório foi invadido. Autoridades dizem que Jackson vai estar presente na corte para ouvir o depoimento da mulher, cujo nome é mantido sob sigilo. O cantor, de 46 anos, se declarou inocente das acusações que incluem abuso sexual, conspiração e manutenção em cárcere privado. Os advogados de defesa vão argumentar que a mãe e os promotores sabiam ou deveriam saber que Miller trabalhava para Geragos e que seu escritório não poderia ter sido vasculhado, o que violou o direito de confidência de seu cliente. Será um encontro tenso entre Jackson e a mulher que permitiu que seus filhos freqüentassem o rancho do cantor, mantendo uma estreita amizade. O ex-advogado dela, Michael Manning, disse à agência internacional Associated Press, em novembro passado, que a mulher havia comentado que Jackson "era muito bom para nós". Mas, no início do ano, ela disse a um júri que o cantor era "o diabo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.