Mestre Salu e sua rabeca cinqüentona

O músico pernambucano Mestre Salustiano, de 57 anos, é um defensor das manifestações populares. Há 50 anos, o som de sua rabeca, instrumento rústico parecido com violino, embala platéias com maracatus, cocos, forrós, cavalos-marinhos, enfim, ritmos genuinamente nordestinos. Tamanha dedicação se reflete no número de seguidores, que vão de Chico Science e Nação Zumbi a Antônio Nóbrega. Resulta também em reconhecimento e honrarias: "papa" da cultura popular pernambucana, Comenda do Mérito Cultural, Doutor em Cultura Popular e outras atribuições. Nascido na Zona da Mata, ele mesmo chega a ser um figura folclórica: pequeno, rosto expressivo, falante. Retornando de uma festiva participação no Lincoln Center Festival, em Nova York, Mestre Salu, como é apelidado, fará shows hoje e amanhã, no Itaú Cultural, às 19h30, e terça e quarta, às 21 horas, no Sesc Vila Mariana.No Itaú Cultural, o instrumentista volta a apresentar o espetáculo O Sonho da Rabeca, criado por ele em 1995. No repertório, composições de sua autoria, entre eles, Pimenta na Brasa, Toada de Cavalo Marinho, Esse Coco É Bom, Cirandas, Macaco Ensaboado. Já o Sesc Vila Mariana programou um encontro das raízes da cultura popular com as batidas eletrônicas. A base será seu O Sonho da Rabeca. Disso ele não abre mão. "Não vou renegar as manifestações populares, que fazem parte do meu trabalho", avisa. No palco, o compositor dividirá a cena com um de seus discípulos, Siba, do grupo Mestre Ambrósio. Cantor, compositor e instrumentista, Siba tem influências da cultura da região da Zona da Mata, em Pernambuco, e encontra na rabeca um de seus principais instrumentos de trabalho.Os DJs do grupo Instituto são outros que têm encontro marcado com Mestre Salu no palco do Sesc Vila Mariana. Formado pelos músicos Rica Amabis, Teio Damasceno e Daniel Gania Man, o trio é conhecido por misturar estilos musicais diferentes, como hip-hop, samba e coco, com efeitos produzidos por computador. No show com o mestre da rabeca, eles vão fazer a festa com sons eletrônicos e ritmos nordestinos. "Nesses espetáculos, acho que a surpresa são os desafios dentro do maracatu. Vai misturar raiz e sementes. A raiz sou eu e sementes, eles", brinca o compositor. Nos dias 31/7 e 1.º de agosto, o Mestre estará na Choperia do Sesc Pompéia.Serviço - 6.ª e sáb., às 19h30. Grátis (retirar ingressos a partir das 18h). Itaú Cultural. Av. Paulista, 149. tel. 3268-1776 3.ª e 4.ª, às 21h. R$ 7,50 a R$ 20,00. Teatro do Sesc Vila Mariana. R. Pelotas, 141, tel. 5080-3000 5.ª (31/7) e 6.ª (1.º/8), às 20h30. R$ 7,50 a R$ 15,00. Choperia do Sesc Pompéia. R. Clélia, 93, tel. 3871-7700.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.