Gonzalo Fuentes/ Reuters
Gonzalo Fuentes/ Reuters

Mesmo com pandemia, França permitirá festivais com até 5 mil pessoas sentadas e distantes

A ministra da Cultura, Roselyne Bachelot, confirmou que os eventos poderão voltar a acontecer a partir de março

EFE, Redação

19 de fevereiro de 2021 | 10h46

A França voltará a permitir a realização de festivais de música e shows apesar da pandemia, desde que a capacidade seja limitada a 5 mil pessoas e que elas permaneçam sentadas e afastadas umas das outras.

A ministra da Cultura, Roselyne Bachelot, confirmou em uma reunião com os organizadores de festivais e representantes da indústria do entretenimento que os eventos poderão voltar a acontecer a partir do mês que vem. Contudo, será obrigatório respeitar um protocolo rigoroso, após um ano em que foram raros os encontros entre artistas e fãs por causa da covid-19.

Além disso, o Bachelot anunciou o lançamento de um fundo econômico de 30 milhões de euros para ajudar os festivais, reservado para aqueles que são forçados a modificar ou cancelar seus programas.

É uma primeira medida que será seguida por outra série de auxílios que serão anunciados em breve, segundo a imprensa local, que especificou que as condições do retorno moderado ainda não estão claras.

A França registrou nesta quinta-feira 22.501 novos casos de coronavírus e 271 mortes, o que fez o governo enfatizar que ainda não é hora de relaxar as restrições. Entre as medidas de combate ao coronavírus estão um toque de recolher das 18h às 6h e o fechamento de bares, academias, cinemas e museus, que está em vigor desde o final de outubro.

Além disso, o ministro da Saúde, Olivier Véran, anunciou que 36% dos casos positivos testados correspondem à variante britânica, e 5% à brasileira ou à sul-africana, mais contagiosa do que a cepa tradicional. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
músicacoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.