Mercado fonográfico encolheu 7,6% em 2003

As vendas mundiais de discos caíram 7,6% em valor em 2003. A baixa histórica consta do relatório divulgado hoje pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI, pela sigla em inglês), que representa as gigantes Warner, Sony, Universal, EMI e BMG, além de centenas de selos musicais independentes."Unindo os efeitos da pirataria e da concorrência com outros itens de entretenimento, como videogames e DVDs, 2003 foi um ano difícil para as vendas", disse Jay Berman, presidente da IFPI. O mercado teve lucro de U$ 32 bilhões, com um total de 2,7 bilhões de unidades vendidas (incluindo vídeos musicais). As vendas de álbuns caíram 9,1% em relação a 2002, enquanto os singles perderam 18,7%. O declínio nas vendas atingiu consideravelmente os grandes mercados, como o alemão, onde a diminuição foi de 19%. Na América Latina, a queda foi de 14,4%.Mas há alguns sinais positivos. Nos Estados Unidos, por exemplo, o mercado tem mostrado sinais de recuperação desde o final do ano passado, com o aumento na venda de CDs e, principalmente, de DVDs de música, uma pequena mas cada vez mais importante fatia do mercado fonográfico. Prova disso é que o resultado de 7,6% é menos desastroso que a projeção feita no início do ano passado, de 10,9%, provavelmente em razão de um melhor desempenho do setor ao longo do segundo semestre.Para reverter o quadro, além de investir contra a pirataria, a indústria fonográfica planeja cortar gastos e investir mais em novas tecnologias, como as lojas virtuais e a produção de toques musicais para telefones celulares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.