Menino que Madonna quer adotar chega a Londres

David Banda, o menino malauiano de 1 ano e um mês que a cantora Madonna e seu marido, Guy Ritchie, querem adotar, chegou nesta terça-feira a Londres, informou a rede BBC, que mostrou imagens da criança nos braços de uma babá. Policiais acompanharam a babá após sua chegada ao aeroporto de Heathrow, em Londres, procedente de Johanesburgo.David foi levado de Maláui à África do Sul em um avião particular. Ele pôde deixar seu país depois de a Justiça emitir seu passaporte, segundo a imprensa britânica.Madonna obteve a adoção temporária de David por um período de 18 meses, segundo confirmou sua porta-voz, Liz Rosenberg. "A adoção interina concede aos novos pais de David a custódia temporária por 18 meses, período em que será avaliado pelos tribunais de Maláui", acrescentou a porta-voz.Segundo a imprensa em Londres, ainda não está claro se o bebê será levado à casa de campo de Madonna em Wiltshire, no sul da Inglaterra, ou aos Estados Unidos, já que ele conta com um visto americano.A estrela pop deixou Maláui na sexta-feira passada, após visitar um orfanato. O pai do menor, Yohane Banda, levou o filho à instituição porque não podia cuidar dele, segundo a imprensa britânica.ONGs solicitaram à Justiça de Maláui que revisasse a adoção após as críticas de que o processo foi acelerado por se tratar de uma celebridade. Segundo Boniface Mandere, da organização Eye of the Child, que defende as crianças em Maláui, parece que os tribunais tomaram a decisão baseando-se apenas na fortuna de Madonna. "Ser um bom pai não é questão de dinheiro, e sim de cuidado, coração e amor", disse Mandere à imprensa britânica.A legislação de Maláui estabelece que, para adotar uma criança, é preciso viver no país durante um ano, enquanto os serviços sociais verificam se os candidatos a pais estão capacitados. Até agora, o menino viveu em um orfanato em um povoado próximo à fronteira com a Zâmbia, após a morte de sua mãe por complicações no parto. Seu pai aprovou a adoção, segundo a mídia britânica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.