Melodia Cucaracha, um vídeo-ópera de Lívio Tragtenberg

Um mineiro da cidade de Governador Valadares arranja um"bico" como engraxate no World Trade Center. Toda a sua sorteacaba, literalmente, indo pelos ares: ele começa a trabalhar lájustamente no fatídico 11 de setembro de 2001. Essa é apenas umadas muitas histórias de imigração ilegal que será contada noespetáculo musical irônico e bem-humorado criado pelo músicoLivio Tragtenberg, "Melodia Cucaracha - Uma Ópera Ilegal", queestréia amanhã, às 21 horas, no Teatro do Sesc Ipiranga. O espetáculo não será formado apenas por músicascompostas para tratar do tema. Imagens registradas em Miami, acidade mais latina da Flórida, nos Estados Unidos, serãoprojetadas em sete telões dispostos a 360º dentro do teatro."Filmei Miami de dentro de um carro e quero que a platéia tenhaa mesma sensação quando entrar no teatro", conta Tragtenberg.Platéia vai receber letras das músicas para cantar com o elenco Aliás, a platéia terá participação importantíssima nodecorrer do que o músico chama de "vídeo-ópera". "A única coisaque posso contar, para não estragar a surpresa, é que, logo naentrada, as pessoas receberão as letras das músicas paracantá-las conosco." Para compor a banda, o músico chamou Beto Sodré(percussão), Gustavo Sarzi (teclados), Webster Santos (violão,guitarras e contrabaixo), além do próprio Tragtenberg no claronee saxofone. Já o elenco será formado pela cantora e atriz NeusaRomano, que viverá, entre outras personagens, a boliviana quetenta a vida em São Paulo como manicure, e pelo músico paraguaioVicente Castillo, que atua na Orquestra de Músicos das Ruas deSão Paulo. A idéia de chamar a atenção para essa questão que atingemilhares de pessoas em todo o mundo já vem de tempos.Tragtenberg, que trabalha no exterior desde 1986, sempre sesentiu incomodado com a situação dos imigrantes ilegais. Edecidiu fazer o espetáculo. "Durante toda a minha carreiratrabalhei fora do Brasil como músico, mas esta questão sempreesteve à minha volta. Participo dela de forma indireta há 20anos." No ano passado, o músico criou a Nervous City Orchestraem Miami, banda que reúne 14 músicos de toda a América Latina.A direção do espetáculo, assim como a composição de todas asmelodias e letras (a grande maioria em espanhol) foram feitaspor Tragtenberg. "As histórias são contadas num tom tragicômicoe politicamente incorreto", diz ele. Em ritmos latinos, como atrova cubana, o merengue, o zouk, o mambo e a salsa, as letrascontam histórias vividas por imigrantes ilegais reais efictícios. A história da haitiana, detida com um crânio na mala,por exemplo, foi tirada de uma notícia de jornal ("MyrleneSevera, o que faz esse crânio na mala amarela? Oferenda pro papaBom Dieux. Myrlene, na América isso é bobagem, você vai em cana,e é por vadiagem"). Também deve ocorrer uma participação especial de umtaxista brasileiro que Tragtenberg conheceu há poucos dias."Durante uma corrida de táxi, ele me contou que foi vítima detrabalho escravo em Portugal, com toda a sua família. Peguei oseu celular e, se der tudo certo, ele deve entrar ao vivo portelefone para contar a sua história." "Melodia Cucaracha - Uma Ópera Ilegal" se passa nomítico cabaré Tropicana, anterior à tomada do poder de FidelCastro em Havana, Cuba. A apresentação das músicas, os vídeos eas histórias contadas pelos imigrantes ocorrem em uma só noiteno cabaré. Melodia Cucaracha - /sesc Ipirang. Rua Bom Pastor, 822, 3340-2000. 6.ª e sáb, 21h; dom. 20h. R$ 9 a R$ 24. Até 27/8.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.