Meio século sem Carmen Miranda

Meio século depois de sua morte, Carmen Miranda tornou-se um mito - desfiles de moda, espetáculos musicais, megaexposição, lançamento de jóias inspiradas em seus balangandãs, uma agenda recheada promete lembrar e discutir a importância da mulher que transformou a roupa estilizada de baiana em símbolo conhecido no mundo todo. Carmen morreu sozinha, de enfarte, depressiva, na madrugada do dia 5 de agosto de 1955, em sua casa em Hollywood. Portuguesa de Marco de Canavezes, vinda com menos de um ano para o Brasil e filha de um barbeiro que sofreu com a fome, Maria do Carmo Miranda da Cunha pouco revelava o perfil da pequena mulher (1,52 m) que se tornaria paixão nacional nos anos 1930 como cantora - a marchinha Taí (Pra Você Gostar de Mim), de Joubert de Carvalho, lançada em 1931, foi recorde absoluto de vendas durante décadas, ultrapassando a marca de 36 mil cópias. A busca de explicações para essa transformação é a principal tarefa enfrentada pelo escritor Ruy Castro, que há anos pesquisa a trajetória de Carmen e pretende lançar até o fim do ano uma volumosa biografia pela Companhia das Letras.Carmen nasceu pronta para glória: o charme irresistível, o bom humor, as brincadeiras de moleca, a forma única de cantar chamaram a atenção logo em suas primeiras gravações. Mesmo que as músicas que lhe caíssem nas mãos ainda exibissem um forte ranço rural e de reduzida importância artística. Os clássicos, porém, acabaram se impondo: Primavera no Rio, de João de Barro; Na Batucada da Vida, de Ary Barroso; Alô, Alô..., de André Filho, além das parcerias com Assis Valente (Minha Embaixada Chegou) prepararam Carmen para o sucesso internacional, que começou em maio de 1939, quando chegou aos Estados Unidos para um musical na Broadway. Logo, ela alcançaria Hollywood na mesma época em que o esforço de guerra obrigava os americanos a olharem com suspeito carinho para a América Latina. Com Serenata Tropical, de 1940, Carmen estreava na meca do cinema e iniciava um ciclo que totalizaria 14 filmes. Mas, ao mesmo tempo em que solidificava as características de ícone (a roupa de baiana, os trejeitos com os braços, a mistura de ritmos), Carmen preparava seu fim ao se tornar dependente química. Nos últimos anos de vida, ela conseguia dormir apenas com barbitúricos e, para voltar à tona, entupia-se de estimulantes. A mistura levava-a à depressão, obrigando seu médico a tentar diminuir as doses. Com isso, sofria com a abstinência, o que aumentava suas dores. Tentou a recuperação ao voltar para o Brasil, em 1954, quando exibia sinais claros de envelhecimento. No ano seguinte, de volta a Hollywood, morreu sozinha no banheiro, onde foi encontrada pela manhã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.