Médicos advertem Amy Winehouse sobre risco de morte

Especialistas afirmam que ou a cantora britânica larga as drogas, ou próximo colapso 'poderá ser o último'

Ansa,

18 de junho de 2008 | 12h10

Os médicos que cuidam da cantora britânica Amy Winehouse, hospitalizada esta semana em Londres após ter desmaiado em sua residência, advertiram que ou ela abandona as drogas ou acabará morrendo prematuramente, informou nesta quarta-feira, 18, o jornal inglês The Sun. Após a realização de uma série de exames, os especialistas advertiram a cantora, de 24 anos, que seu próximo colapso "poderá ser o último". "Ela pode ter escapado dessa vez, mas eventualmente não poderá voltar a parar", declarou uma fonte próxima à cantora. Os médicos sustentam que o desmaio de Amy pode ser fruto da overdose de drogas que a estrela sofreu no último mês de agosto. Segundo o The Sun, um eletroencefalograma realizado em Amy esta semana mostrou problemas cerebrais vinculados às drogas. Fontes próximas à cantora pediram, por sua vez, que ela não toque ao vivo pelos próximos meses, até que se recupere totalmente de seu vício das drogas e do álcool. Amy, ganhadora este ano de cinco prêmios Grammy, tem marcadas apresentações no festival de Glastonbury e no show em Londres em homenagem aos 90 anos do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela.

Tudo o que sabemos sobre:
Amy Winehouse

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.