Arquivo/AE
Arquivo/AE

Médico de Michael Jackson luta para manter licença

Perto de completar um ano da morte do astro pop, Conrad Murray comparece novamente à corte

14 de junho de 2010 | 15h24

LOS ANGELES (AP) - O médico de Michael Jackson volta à corte nesta segunda-feira, 14, para uma audiência que vai determinar quando irá a julgamento e o que será capaz de fazer até lá.

  

Já vai fazer um ano que o rei do pop Michael Jackson morreu, depois que Murray, que era seu médico particular, administrou propofol e outras drogas para ajudá-lo a dormir, em 25 de junho.

 

Após uma longa investigação policial, Murray foi acusado de homicídio involuntário. Diz que não fez nada que pudesse matar Jackson. Ele permanece em libertada após pagamento de fiança de US$ 75 mil.

 

Murray vai lutar para manter sua licença médica na Califórnia. Ele não tem praticado a medicina ultimamente no Estado, mas seu advogado, Ed Chernoff, assegura que a perda da licença levaria a um efeito dominó sobre suas clínicas no Texas e em Nevada. Segundo o advogado, o acordo proposto é que Murray exerça a medicina sem administrar anestésicos como o propofol que matou Jackson.

 

A audiência desta segunda deve decidir se ele pode continuar a exercer a medicina e para definir quando o médico irá a julgamento.

 

A mãe e os irmãos de Michael Jackson sempre assistem às audiências.

Tudo o que sabemos sobre:
Michael Jackson

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.