Thomas Nguyen/Efe
Thomas Nguyen/Efe

Médico acusado pela morte de Michael Jackson vai ao tribunal

Conrad Murray será acusado por homícídio não premeditado, segundo antecipou o site de celebridades TMZ

estadao.com.br,

08 Fevereiro 2010 | 13h10

O médico que atendeu o cantor americano Michael Jackson no dia de sua morte, 25 de junho, vai ao tribunal pela primeira vez nesta segunda-feira, 8, para enfrentar acusações de homicídio não premeditado, conforme informou a agência AFP.

 

O gabinete da Promotoria de Los Angeles confirmou na sexta-feira que seriam apresentadas acusações contra Murray. A Polícia passou cerca de sete meses investigando o caso junto de agentes federais. Fontes judiciais anteciparam que o médico será acusado por homicídio não premeditado.

 

Murray, que atendeu Jackson antes de o ídolo pop morrer por conta de uma parada cardíaca, inicialmente iria se entregar à Polícia na sexta, antes de uma audiência judicial. A apresentação formal das acusações, porém, sofreu atrasos por conta de um desentendimento das autoridades sobre como Murray seria levado ao tribunal.

 

O site de notícias de celebridades TMZ, o primeiro a noticiar a morte de Jackson, informou que o médico chegará ao tribunal desacompanhado. Espera-se que Murray se declare inocente perante a corte.

 

Segundo a lei do estado da Califórnia, o homicídio não premeditado - que causa a morte sem querer, por negligência, descuido ou um delito menor - tem pena máxima de quatro anos de prisão.

 

Murray, de 56 anos, reconheceu ter dado altas doses do forte anestésico propofol, mas somente após o cantor pedir mais medicamentos por conta de sua insônia. Jackson morreu 20 minutos depois de receber a injeção.

Mais conteúdo sobre:
Michael Jackson Jackson Murray

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.