McCartney faz a festa na Praça Vermelha

Após uma espera de quase 20 anos, Paul McCartney concretizou hoje seu sonho de tocar em Moscou, na Praça Vermelha. Concretizou o sonho também de milhares de fãs na Rússia, onde a música dos Beatles foi durante décadas tachada pelo governo soviético como propaganda capitalista. Mesmo após a derrocada do regime comunista, McCartney tentou mas não conseguiu autorização para tocar no país. A espera acabou hoje. Cerca de 20 mil pessoas acompanharam o show na Praça Vermelha, bem ao lado do mausoléu de Lenin, Stalin e outros antigos líderes russos.O ex-beatle subiu ao palco após encontrar-se com o presidente russo Vladimir Putin. McCartney perguntou a Putin se a música dos Beatles era de fato proibida na antiga União Soviética. "Não era exatamente proibida, mas o fato de você não poder se apresentar na Praça Vermelha desde os anos 80 diz muito", respondeu o presidente, que foi agente da temida KGB. "Para alguns, a arte não parecia se dissociar de ideologia."Putin acrescentou que os Beatles, apesar da desaprovação comunista, tinham muitos fãs no país. "Era muito popular. Mais que popular. Era como um sopro de ar fresco, uma janela para o mundo lá fora", disse. O presidente guiou McCartney por uma visita ao Kremlin, e McCartney retribuiu cantarolando Let it Be. Perguntado sobre o significado da música Back in the U.S.S.R, o ex-beatle respondeu que a União Soviética lhe parecia uma "terra mítica". "É bom conhecer a realidade. Sempre suspeitei que os russos tinham um grande coração. Agora sei que é verdade."É a primeira visita de McCartney ao país. Na sexta, ele recebeu o título de professor honorário do conservatório de São Petersburgo, a mais antiga instituição musical russa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.